Prosimetron

Prosimetron

domingo, 2 de abril de 2017

Umas portas para a Isabel

Porto, 21 jan. 2017

VERDADE

A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.

E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os dois meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram a um lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em duas metades,
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
As duas eram totalmente belas.
Mas carecia optar. Cada um optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Carlos Drummond de Andrade

5 comentários:

Cláudia Ribeiro disse...

Carlos Drummond de Andrade, é sempre tão bom lê-lo!
A primeira porta não reconheço, mas as outras sim.:))
Pertinho da Trav. da Cedofeita...
Boa noite, MR!

bea disse...

Bonito poema.
Não conheço qualquer porta salvo a minha. Mas gosto de portas e candeeiros de rua. A bem dizer, olhando a sério para as coisas, gosto da maioria.

MR disse...

Cláudia,
A primeira já não me lembro de que rua é, mas as outras são de onde diz. :)

Boa semana para as duas.

Isabel disse...

Concordo com a Cláudia sobre Drummond de Andrade!

Adorei as portas, especialmente a primeira...muito obrigada!
Espero também fotografá-las um dia destes...

Boa semana, MR:)

MR disse...

Drummond é um dos poetas que mais leio.
Boa viagem até ao Porto, Isabel.
Boa semana!