Prosimetron

Prosimetron
Prosimetron: termo grego que designa a mistura de prosa e verso.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

25 DE ABRIL

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

- Sophia de Mello Breyner Andresen

REVOLUÇÃO

" (...) porque as revoluções são os únicos acontecimentos políticos onde enfrentamos directa e inevitavelmente o problema do começo. Porque as revoluções , seja qual for o modo por que sejamos tentados a defini-las , não são simples mudanças. "

- Hannah Arendt , Sobre a Revolução , pg. 23 , Relógio d 'Água Editores , 2001.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

OS CÂNTAROS - PAUL CELAN

Nas longas mesas do tempo
bebem os cântaros de Deus.
Bebem até ao fim os olhos dos que vêem e os olhos dos cegos,

os corações das sombras dominantes,
as faces ocas da tarde.
São os mais poderosos bebedores:
levam à boca o vazio e o cheio
e não transbordam como tu ou eu.

( Tradução de Yvette Centeno )

PRIVILÉGIO E PRIVACIDADE -TELMA ORTIZ

A propósito da recente providência cautelar intentada por Telma Ortiz , irmã da Princesa das Astúrias , contra 54 meios de comunicação social de Espanha , importa lembrar os seguintes factos:
-Telma Ortiz , por ser irmã de quem é , tem beneficiado de motorista e segurança provenientes da Casa Real ;
-teve um tratamento especial em termos clínicos durante a gravidez e nascimento do seu filho;
-a criança foi registada por um funcionário da Casa Real , evitando os pais as costumadas filas do Registo Civil e a exposição pública.

É pois legítimo que Telma Ortiz tenha peticionado ao tribunal uma protecção absoluta da sua vida privada face aos media?
É aceitável tamanha restrição da liberdade de expressão perante uma irmã da futura Rainha de Espanha , que , por tal parentesco , tem gozado de benesses que não era obrigada a aceitar?

POETAS - PAUL CELAN

CRISTAL

Não busques nos meus lábios a tua boca,
nem diante do portão o forasteiro,
nem no olho a lágrima.

Sete noites mais alto muda o vermelho para vermelho,
sete corações mais fundo bate a mão à porta,
sete rosas mais tarde rumoreja a fonte.

(Tradução de Yvette Centeno)

Paul Celan ( 1920-1970 ) ,nasceu na Roménia, filho de pais judeus-alemães que em 1942 são deportados para um campo de extermínio onde morrem poucos meses depois. Em Dezembro de 1947 , Celan parte para Viena, e um ano depois para Paris onde se fixa e termina os estudos de Germanística e Linguística. Em 1969 visita Israel, e um ano depois suicida-se, atirando-se ao Sena. Além da sua obra poética, traduziu Shakespeare, Mandelstam e Pessoa,entre outros.

Sócrates equivocado

José Sócrates prestou homenagem a José Saramago na inauguração de uma exposição sobre a sua vida e obra, no Palácio da Ajuda, dizendo que o Governo, o Estado e o povo português agradeciam o que tem feito pela língua portuguesa e pelo prestígio de Portugal.
Sócrates está equivocado: nem ele representa o Estado - constitucionalmente essa representação é pertença do Presidente da República - nem pode falar pelo povo português e muito menos pode enaltecer o escritor pelo que tem feito pelo prestígio de Portugal, porque quem defende a união ibérica não pode prestigiar um país que se fundou na luta pela independência e por ela se bateu ao longo da História contra outros estados peninsulares. O que fez pela língua portuguesa, é indubitável. Gostando-se ou não - muito,pouco,nada - do que escreve o Prémio Nobel da Literatura.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

(von) SCHILLER

Informa-me o meu ilustrado e germanófilo amigo Filipe Nicolau que:

" Schiller nasce sem o von em 1759,filho de um oficial e médico militar.Em 1802, é-lhe conferido o atributo von pelo Grão-Duque Carl August de Sachsen-Weimar-Eisenach,a título hereditário.
Há quem defenda que terá sido Goethe,amigo de Schiller,a propor tal honra a Carl August. Aliás, o próprio Johann Wolfgang Goethe nasceu igualmente sem o von , que lhe foi atribuído em 1782 por Joseph II.
Como vemos, tal honra parecia ser uma prática habitual e contribuía seguramente para uma maior aceitação dos escritores junto da aristocracia da época. "

NOVAS VIDAS

"Abraço cada fase da minha vida como a minha verdadeira vocação natural"

Notável frase de Paulo Teixeira Pinto durante a notável entrevista conduzida ontem por Ana Lourenço no programa DIA D da Sic-Notícias,onde foi abordada a nova vida do entrevistado,já assumidamente como homem de cultura que sempre foi, e nas suas facetas de poeta,pintor e editor .
Notáveis foram também os pensamentos expressos por Teixeira Pinto relativamente ao Estado e á política.Tomara tenha sido ouvido,desde logo pelos candidatos a líder do PSD.

DIA MUNDIAL DO LIVRO

" Quem não se lembra como eu dessas leituras feitas em tempo de férias,que íamos esconder atrás umas das outras em todas as horas do dia que fossem suficientemente calmas e suficientemente invioláveis para poderem dar-lhes asilo."

-Marcel Proust, Journées de Lecture (tradução de Magda Bigotte de Figueiredo)

terça-feira, 22 de abril de 2008

LARANJAS E MAIS LARANJAS-II

Afinal, Aguiar-Branco já desistiu,e tinha-me esquecido de outro candidato,o Neto da Silva.
Declarações do dia: Miguel Veiga a apoiar a Dra.Ferreira Leite(lá está a burguesia do Porto a querer mandar como diz o Dr.Jardim),e o Eng. Macário Correia a defender que,exceptuando a Dra.Manuela,estes candidatos são assuntos para psicólogos.
Isto promete.

LIBERALISMO À PORTUGUESA

Como é sabido,não foi renovado o acordo existente entre o Grupo Mello e o Estado para a gestão do Hospital Amadora-Sintra.O que na verdade não deveria surpreender ninguém atentas as objecções levantadas por várias entidades,desde logo o Tribunal de Contas.
Efectivamente,ainda hoje não sabe o Estado,nem nós contribuintes,qual o custo global da gestão efectuada pela Mello-Saúde.
Apesar disto,logo se levantaram vozes clamando contra a decisão do Governo,acusando-o de querer voltar a velhos tempos e velhos modelos.
Não posso estar mais em desacordo-liberalismo económico sim,mas primeiro o interesse público,que no caso é também o do Erário público.
Liberais sim,mas não a qualquer preço.

ESTUDOS LATINOS

O Século de Augusto,época gloriosa da História de Roma,produziu Sila,Cícero,Lucrécio,Catulo,Virgílio,Horácio,Propércio,Ovídio,Tibulo,Catão,Salústio,Cornélio Nepos,Tito Lívio,Cipião o Africano e Vitrúvio.
Durante longos séculos foram venerados,estudados,comentados e imitados.Hoje,quase todos caíram no olvido.
Toda esta herança que também fez o Ocidente resistirá ao século XXI? Resistirá a Bolonha e aos processos em curso de fusão de departamentos,de faculdades,de universidades?
Iremos ter nas próximas décadas dignos sucessores de Pierre Grimal e de Paul Veyne?

LARANJAS E MAIS LARANJAS

Aguiar Branco,Patinha Antão,Manuela Ferreira Leite e Pedro Passos Coelho já são candidatos.Relativamente a Santana Lopes e a L.F. Menezes,tudo é possível até ao Conselho Nacional de quarta-feira.
E porque não o Dr. Ribau Esteves? O PSD e o país inteiro ficaram a conhecer o seu estilo e capacidades nos últimos seis meses...

segunda-feira, 21 de abril de 2008

OS FAMOSOS CINCO

Nerva,Trajano,Adriano,Antonino Pio e Marco Aurélio-Cinco reinados sucessivos e bem sucedidos em termos da grandeza imperial.Antes e depois deles nada há de similar na História de Roma.
Aliás,atrevo-me a dizer,nada de similar nem durante o Sacro Império nem na maior parte das outras monarquia europeias.
Alguém para me contrariar?

DA VONTADE

" Les esprits valent selon ce qu'ils exigent.Je vaux ce que je veut."



-Paul Valéry,Mauvaises Pensées et autres,Gallimard,1942.

domingo, 20 de abril de 2008

A PROPÓSITO DO DON CARLOS DE SCHILLER

É de recomendar a quem queira saber mais ou relembrar este período da História de Espanha,a leitura da melhor biografia que conheço sobre essa fascinante mulher que foi Ana de Mendoza,mais conhecida na História como Princesa de Éboli,escrita por uma sua descendente directa-Almudena de Arteaga del Alcázar,e publicada nas Ediciones Martinez Roca.

MENEZICES

Conhecendo o demissionário,e alguns membros da sua camarilha,ainda temo que estejamos perante a chamada "rábula da demissão",coisa que julgava extinta na política portuguesa.
Espero estar enganado,até porque o ridículo...mata.