Prosimetron

Prosimetron

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Os meus franceses - 659


Canção escrita por Barbara quando Mitterrand ganhou as eleições em 1981.

Auto-retrato(s) - 261


Picasso - O Marinheiro, 1943

«A editora de arte americana, no ano passado [1997], em Frankfurt, a propósito de Picasso: “Picasso? Oh, old fashion!”»
Cit. por Philippe Sollers, em L’anné du Tigre. Paris: Seuil, 2007, p. 109. (Points)

Como se comenta uma afirmação destas?!

Este autorretrato foi retirado de um leilão da Christie's, em março passado, por  estar danificado. Estava avaliado em 53 milhões de euros.

Marcadores de livros - 1189


Cardoso Pires faleceu há 20 anos.

François Mitterrand - Que reste-t-il de nos amours ?


Na ARTE hoje às 7h25
https://www.arte.tv/fr/videos/060785-000-A/francois-mitterrand-que-reste-t-il-de-nos-amours/

quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Os meus franceses - 658


Marcadores de livros - 1188

Verso e reverso


«La peinture est une machine à imprimer la mémoire.»

«Je mets dans mes tableaux tout ce que j'aime. Tant pis pour les choses, elles n'on qu'à s'arranger entre elles.» (1935)
«Je me comporte avec ma peinture comme je me comporte avec les choses. Je fais une fenêtre comme je regarde à travers une fenêtre. Se cette fenêtre ouverte ne fait pas bien dans mon tableau, je tire un rideau et je la ferme comme j'aurais fait dans ma chambre. Il faut agir avec la peinture comme dans la vie, directement.»

«La peinture n’est pas faite pour décorer les appartements. C’est un instrument de guerre offensive et defensive.» (1945)
Picasso, cit. por Philippe Sollers in L'année du Tigre

Umas flores...

Ambrosius Bosschaert - Natureza morta com flores, 1614
Getty Center

... para os convivas de ontem. 

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Os meus franceses - 657

Passa esta noite, à 1h20 na TV5Monde, este documentário sobre Belmondo. Comecei a ler as memórias dele, mas interrompi para ler uns empréstimos. :) Mas estava a gostar... Em breve regressarei a esta leitura.

Auto-retrato(s) - 260


Um auto-retrato de Emília Matos e Silva ( 1947- )

Humor pela manhã


A política portuguesa em 2018 / 2019 ?

Bom dia !





Uma das novas vozes canadianas .

Canal de Suez inaugurado há 150 anos

Il de Édourd Riou

Eça parte a 23 de outubro de 1869 para uma viagem ao Oriente com Luís de Castro, conde de Resende, seu amigo e futuro cunhado, para assistir à abertura do canal do Suez, que terá lugar a 17 de novembro.
Quando desembarca em Lisboa em janeiro de 1870, publica na coluna de Folhetins do Diário de Notícias a crónica da viagem «De Port-Said a Suez» - «apenas a narração trivial, o relatório chato das festas de Port Said, Ismailia e Suez».
Segundo Eça, a «confusão irritante que foi o maior elemento de todas as festas do Suez». Até porque a polícia egípcia não previu bem a logística do evento e esqueceu que «trezentos convidados, ainda que não tenham a corpulência tradicional dos paxás e dos vizires, não podem caber em vinte lugares de vagões, estreitos como bancos de réus. Por isso, em volta das carruagens havia uma multidão tão ávida como no saque de uma cidade».
«[…] nem edifícios, nem monumentos, nem construções sólidas e sérias: tudo é ligeiro, barato, provisório. A igreja católica é como uma grande barraca: vê-se o céu azul através do seu teto feito de grandes traves mal unidas. Tudo isto dá a Port Said um aspeto triste. […] Port Said, cheio de gente, coberto de bandeiras, todo ruidoso dos tiros dos canhões e dos urras da marinhagem, tendo no seu porto as esquadras da Europa, cheio de flâmulas, de arcos, de flores, de músicas, de cafés improvisados, de barracas de acampamento, de uniformes, tinha um belo e poderoso aspeto de vida. A baía de Port Said estava triunfante. Era o primeiro dia das festas. Estavam ali as esquadras francesas do Levante, a esquadra italiana, os navios suecos, holandeses, alemães e russos, os yachts dos príncipes, os vapores egípcios, a frota do paxá, as fragatas espanholas, a ‘Aigle’, com a imperatriz, o ‘Mamoudeb’ com o quediva, e navios com todas as amostras de realeza, desde o imperador cristianíssimo Francisco José, até ao caide árabe Abd el-Kader.»

Marcadores de livros - 1187

À esq.: Cristóbal de Augusta (séc. XVI) - Virgem do Rosário; à dir.: Mestre de Burgos (séc. XV) - Assunção da Virgem.
Sevilha, Museu de Belas Artes

Painel de azulejos

Obrigada, Luisa!