Prosimetron

Prosimetron
Prosimetron: termo grego que designa a mistura de prosa e verso.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Este foi a sério...

Nós tivemos um susto há dias, mas os taiwaneses ( será que é assim que se diz? ) tiveram um tremor de terra a sério ontem. Será que o nosso Jad vai adiar a sua visita à antiga Formosa?
Eu ficaria tentado a adiar...
P.S. - O silêncio do Jad aqui no blogue, confirmou-me ele telefonicamente, tem a ver com as conhecidas restrições à blogosfera na República Popular da China, especialmente blogues estrangeiros. E publicar fotografias, como ele tentou, nem pensar...

Boa noite!

E os Pink Martini voltam ao Prosimetron, agora na sua língua nativa. Como diz um querido amigo: Enjoy!

PENSAMENTO DO DIA

Jacques-Louis David, Napoleão atravessando os Alpes, óleo sobre tela, 1800, Malmaison.

Respondendo à " provocação " napoleónica que o JP me dirigiu ontem, a frase de hoje, em francês porque ainda é via Révillon ( têm sido racionados... ), é da autoria do Genial Corso. Não sei onde ele a escreveu e se estaria a pensar em si próprio quando a redigiu, mas é-lhe indubitavelmente aplicável...

" Les hommes de génie sont des météores destinés à brûler pour éclairer leur siècle. "

- Napoleão Bonaparte

O ano do pensamento mágico - 2


Lisboa: Gótica, 2006
€15,75


Ainda não li este livro, mas estou com vontade de o fazer. A autora, «Joan Didion nasceu a 5 de Dezembro de 1934 em Sacramento, formou-se na Universidade da Califórnia em Berkeley e licenciou-se em Inglês em 1965. É uma conceituada escritora, jornalista, dramaturga, ensaísta e novelista. Escreve regularmente nas revistas The New York Review of Books e The New Yorker. Colaborou com o seu marido, o escritor John Gregory Dunne, já falecido, em numerosos guiões cinematográficos. É autora de cinco romances e oito ensaios.
«Muitas das suas obras abordam a sua vida na Califórnia, especialmente na década de 60 em que o mundo em que cresceu "parece estar muito longínquo". Os seus retratos de teorias da conspiração, paranóicos e psicopatas (incluindo Charles Manson) são considerados património da literatura americana. Actualmente vive em Nova Iorque.» (http://www.wook.pt/authors/detail/id/35169)
O ano do pensamento mágico baseia-se em memórias suas: as mortes do marido e da filha. Em 2003, nas vésperas de Natal, a autora e o marido confrontam-se com a doença da filha que se encontra internada num hospital. Alguns dias depois, o marido morre de um AVC fulminante. Dois anos mais tarde morre a filha.
Joan Didion fala-nos do modo como encara a morte e as recordações, e como, com o passar do tempo, esse olhar se altera.

Esquerdireita


Caricatura de André Carrilho.

À esquerda da minoria da direita a maioria
do centro espia a minoria
da maioria da esquerda
pronta a somar-se a ela
para a minimizar
numa centrista maioria
mas a esquerda esquerda não deixa.
Está à espreita
de uma direita, a extrema,
que objectivamente é aliada
da extrema-esquerda.

Entretanto
extra-parlamentar (quase)
o Poder Popular
vai-se reactivar, se...

Das cúpulas (pffff!) nem vale a pena
falar, que hão-se
pular!

Quanto à maioria da esquerda
ficará - se ficar - para outro poema.

Alexandre O'Neill
(Publ. in A Luta, 1 Jul. 1976; recolhido in Coração acordeão. Lisboa: Independente, 2004, p. 134)

O'Neill faria hoje 85 anos. Obrigada, APS, por mo ter recordado.

O Ano do Pensamento Mágico


Uma peça de Joan Didion, baseada nas suas memórias
Teatro D. Maria II
até domingo

Fui ontem ver esta peça, com uma magnífica interpretação de Eunice Muñoz (eu que até nem sou uma grande fã dela...). Não sei é como é que a Eunice conseguiu representar com aquele público: tosse, falatório e um (pelo menos) até dormia, porque se ouvia a respiração característica. Um suplício...



Paralelamente há uma exposição sobre Eunice: fatos, fotos, programas, etc.

Natal 2009 - 19

Christmas at the White House - uma pequena (e muito incompleta) viagem pela História Contemporânea: Franklin Roosevelt em 1943, John F. Kennedy em 1962 e, por fim, o actual Presidento dos EUA






Natal em chocolate!

O sapato de chocolate de MR está colocado ao lado da cadeira.

A arte de Pierre Marcolini
x
Esta montra já não é de Pierre Marcolini mas não me recordo do nome, sorry!
x
x
Os chocolates tinham um aspecto magnífico!

Alegria, que sempre é precisa.

Boa noite, bom dia!

Adoro esta peça de Bach!

Bach, J.S. - "Air" Orchestral Suite N° 3 in D Major_BWV 1068, Orquestra Barroca de Amesterdão, maestro Ton Koopman

Em uma tarde de Outono


Painel de azulejos da autoria do Ferreira das Tabuletas.
Lisboa, Antigo Refeitório do Convento da Trindade, actual Cervejaria da Trindade

Outono. Em frente ao mar. Escancaro as janelas
Sobre o jardim calado, e as águas miro, absorto.
Outono... Rodopiando, as folhas amarelas
Rolam, caem. Viuvez, velhice, desconforto...

Por que, belo navio, ao clarão das estrelas,
Visitaste este mar inabitado e morto,
Se logo, ao vir do vento, abriste ao vento as velas,
Se logo, ao vir da luz, abandonaste o porto?

A água cantou. Rodeava, aos beijos, os teus flancos
A espuma, desmanchada em riso e flocos brancos...
Mas chegaste com a noite, e fugiste com o sol!

E eu olho o céu deserto, e vejo o oceano triste,
E contemplo o lugar por onde te sumiste,
Banhado no clarão nascente do arrebol...

Olavo Bilac

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Os meus franceses - 82


Lys Gauty (1908-1994), que gravou esta canção em 1933, faz parte de uma bela colectânea, que recebi hoje como presente de Natal.

Lisboa: três impressões!

1ª Impressão:Hoje, de manhã cedo, cheguei ao Chiado e deparei-me com o café A Brasileira fechado com um cordão humano de empregados em greve. Simpaticamente distribuíam um papel pedindo desculpas aos clientes! Dirigi-me à Bénard para tomar o pequeno almoço, como faço habitualmente, quando passo por ali. À saída reparei que o café tinha aberto e continuavam os empregados cá fora em greve.
O que me fez impressão foi quando regressei à tardinha e vi um segurança à porta, o que achei estranho...
x
2ª Impressão:


Junto à Basílica de Nossa Senhora dos Mártires vi um presépio vandalizado com um pedido colado para não o fazerem, indicando o lugar de cada peça e o dia em que foi roubada!
x
3ª impressão:
Passei pelo Starbucks e, tal como previra, não encontrei o ambiente do Starbucks de Paris, a atmosfera é muito diferente, talvez porque fui à tarde, porque a arquitectura é a de um Centro Comercial, ... a atmosfera é para teenagers. Gostei da tarte de maçã e o bolo de chocolate tem um ar apetitoso.
Devo referir que as minhas passagens por Starbucks se devem à influência da minha filha que gosta de misturas!
O café é bom.

In Memoriam - Jennifer Jones


Jennifer Jones, actriz norte-americana, morreu ontem aos 90 anos. Nascida a 2 de Março de 1919, obteve 5 nomeações para os Óscares ao longo da sua carreira, tendo conquistado a estatueta dourada com "A Canção de Bernadette" (1943).

Entre os seus filmes, os meus favoritos são o drama de tempo de guerra "Since You Went Away" (1944), o parodiado Lust in the Dust, "Duelo ao Sol" (1946), com Gregory Peck, "Portrait of Jennie" (1947), com Joseph Cotten, "Stazione Termini/Indiscretion of an American Wife" (1954), de Vittorio de Sica e com Montgomery Clift, "Love is a Many-Splendored Thing" (1955), com William Holden e o remake de "Adeus às Armas" (1957), com Rock Hudson.

A sua marca em Hollywood ficou indelevelmente ligada ao seu segundo casamento, com David O. Selznick, o poderoso produtor que contava no seu palmarés, entre outros, "E Tudo o Vento Levou" (o primeiro casamento fora com Robert Walker, actor que protagonizaria "O Desconhecido do Norte-Expresso", de Alfred Hitchcock). O poderoso Selznick teve uma participação muito activa na escolha dos filmes de Jennifer Jones, o que levou a comunidade de Hollywood a minimizar o talento da actriz (uma tendência comum -- o mesmo acontecera com Norma Shearer, mulher de Irving Thalberg).

Casou uma terceira vez, com o magnata Norton Simon. Dos seus três filhos, apenas lhe sobrevive um, do primeiro casamento.

Talvez agora seja uma boa altura para recordar o talento de Ms. Jones.

Força e carisma


"Na sala de aula não havia democracia, havia hierarquia. Todas sabíamos que ela era a melhor professora de literatura portuguesa que podíamos ter encontrado e, quando se encontra o melhor, abdicamos, aliviadamente, de ser subversivos adolescentes."


Excerto do artigo "Força e carisma" de Clara Macedo Cabral (na imagem), publicado no Jornal de Letras na edição de 16 de Dezembro - um artigo interessantíssimo, inserido no tema principal desta edição, dedicado à Educação

Bom dia!


Não sei se é a primeira vez que os fabulosos Pink Martini passam pelo Prosimetron, mas é sempre uma boa ideia começar o dia com eles. E eles cantam em italiano, francês, espanhol e inglês já que são uma banda originária de Portland, Estados Unidos... Só voltaram permanentemente aos Estados Unidos depois da eleição de Obama, e têm um novo disco: Splendor in the grass. Esta manhã, é em italiano.

Um restaurante que recomendo...


http://farm1.static.flickr.com/72/198640077_b087605451.jpg?v=0
Viagem de Sabores
Rua São João da Praça, 103 (junto à Sé)

Já há muito tempo que queria experimentar este restaurante. Foi ontem: ambiente simpático e qualidade, sem gastar muito dinheiro. Um couvert diferente. Éramos três e fizemos o que fazemos muitas vezes, quando é possível. Pedimos três pratos e experimentámos de todos: asa de raia com pimenta verde e alcaparras, caril de peixe-gato e borrego enrolado em massa (não sei bem se os nomes são estes). Tudo excelente. Recomendo.

Um livro para ... : João Soares

Tudo neste livro é desmesurado, tal como o projecto de Stanley Kubrick que o inspirou. O genial realizador andou anos obcecado com Napoleão, pesquisou, correu os antiquários, comprou tudo o que pôde, visando fazer o filme de Napoleão- abarcando toda a vida do imperador, da Córsega até ao generalato aos 20 anos e tudo o mais que se conhece. Um sonho que ficou por cumprir, designadamente pelos custos associados que nenhum grande estúdio de Hollywood quis suportar. Até porque na época nada era feito por computador- estava acordado com Ceausescu que a cavalaria romena seria "alugada" para fazer as batalhas...
O livro que agora a Taschen publica documenta exaustivamente as ideias de Kubrick, e são na verdade vários livros num- a encadernação que vemos é na prática uma caixa, e é o fruto do trabalho de três anos da historiadora do cinema Alison Castle. E quanto a actores, ficamos a saber que o actor pensado por Kubrick para o protagonista era David Hemmings e Audrey Hepburn como Josefina.

- Stanley Kubrick' s Napoleon, The greatest movie never made, edição limitada trilingue de 1000 exemplares, €500, Taschen.

Um livro para ... : Filipe Vieira Nicolau

Estas quase 1000 páginas dão realmente uma visão integral de um dos maiores génios musicais de todos os tempos, e que sei ser da predilecção do nosso Filipe Vieira Nicolau. É uma obra colectiva, dirigida por Bertrand Dermoncourt, e resiste a uma fácil classificação porque é simultaneamente um dicionário sobre Bach, mas também uma biografia, uma antologia de citações, um guia aos lugares onde João Sebastião viveu e naturalmente um guia discográfico onde são discutidas as melhores interpretações das obras.
Tout Bach, éd. Robert Laffont, Bouquins, 992p, €30.

Um livro para ... : MLV

Para o nosso MLV lembrei-me do mais recente ensaio de Umberto Eco, A Vertigem das Listas , obra que decorre do convite que lhe foi feito este ano pelo Louvre. São 21 capítulos com textos dele, textos de outros, obras de arte e listas que remetem para tantas outras coisas. Um livro para ser apreciado longamente. Como se vê da imagem supra, já está traduzido e foi publicado entre nós pela Difel.

Um livro para ... : JP

Continuando a "entrega", aqui fica um presente virtual para o nosso JP. É de Outubro, mas se calhar ele até já tem esta que é a mais recente obra de Mestre Pastoureau. Ainda assim, aqui fica registada.

L' art héraldique au Moyen Age, Michel Pastoureau, éd.du Seuil, 240p, €40.

Natal 2009 - 18




"Grown-Up Christmas List", música de David Foster e letra de Linda Thompson-Jenner (1990).

Versão de Barbra Streisand de 2001, no álbum "Christmas Memories".

Marionetas em Alcobaça


Inaugura amanhã , pelas 17h, no Mosteiro de Alcobaça, uma exposição comemorativa dos 12 anos da S.A. Marionetas , comissariada pelo Jorge Pereira de Sampaio.

A exposição estará patente até 19 de Fevereiro de 2010.

Seis Paisagens Significativas!


Gostei da simplicidade da poesia de Wallace Stevens. Apesar da sua origem americana, (nasceu em Reading, Pensilvânia) este poema tem um sabor oriental.

Seis Paisagens Significativas

Um velho está sentado
À sombra de um pinheiro
Na China.
Vê esporas,
Azuis e brancas,
Na orla da sombra,
Moverem-se ao vento.
Assim flui a água
Sobre as algas.

Wallace Stevens (1879-1955), Ficção Suprema in Poemário de 2009, Lisboa: Assírio & Alvim, 2009

A. S.: Escolhas Pessoais XI

Ramalho Ortigão


Retrato de Ramalho por Columbano

José Duarte Ramalho Ortigão (1836-1915) nasceu no Porto, cidade onde veio a iniciar a sua carreira de homem de letras, como jornalista. Esteta, ginasta, andarilho incansável, e elegante prosador, cedo se distinguiu pela vivacidade dos seus escritos e comentários. Homem de princípios, chegou a bater-se em duelo com Antero de Quental, para desafrontar o nome de Feliciano de Castilho, por causa da polémica “Bom senso e Bom gosto”. Em parceria com Eça de Queiroz escreveu O Mistério da Estrada de Sintra e a parte inicial de As Farpas, que depois continuou a publicar sozinho. Da sua lavra, exclusivamente, são A Holanda e Praias de Portugal, entre outras obras, em que o apontamento certeiro e pitoresco, o olhar perspicaz e bem humorado denunciam a sua vocação natural de jornalista. Tradicionalista, monárquico até ao fim (D. Carlos, o Martirizado que publicou pouco depois do regicídio), senhor de um nacionalismo saudável e aberto, deixou notas inconfundíveis sobre o folclore, a arte popular e os costumes portugueses da época. São dele os excertos que se seguem, insertos em As Farpas, a propósito do Natal, e do intenso movimento mercantil que o antecede:

“…Lisboa prepara neste momento a festa do Natal.
Grandes rebanhos de perus, enrabeirados de lama, espalham no macadame as suas manchas movediças e escuras, de reflexos de aço, adornadas de florescências brancas e vermelhas dos moncos. Pessoas idóneas pastoreiam esses galináceos, guiando-os a golpes de cana por entre as rodas dos trens e por entre as pernas dos viandantes. Na compra destes perus convém escolher os mais teimosos: à força da cana, são os mais tenros.”



“… Os restaurantes empilham em exposição as perdizes, as galinholas, os patos bravos, os pastelões de presunto e vitela, os tímbales de frango misturados de “champignons”, e os ventres loirejantes e amanteigados dos perus embutidos de trufas, no meio de gargalos de prata de Champagne e das garrafas pretas do Bourgogne lacradas de verde.”

“… Na Praça da Figueira, num movimento extraordinário de apetites em circulação, grunhem os leitões, cacarejam os galos e berram alvoroçados os marrecos e as galinhas, erguidos pelas asas e arrepiados nas penas do peito pelo sopro dos compradores. A caça pende em bambolins ao longo das barracas, e enquanto coelhos mansos suspensos pelas pernas, expiram fulminados com a pancada seca dada com a mão de trave sobre as orelhas, cordeiros e cabritos esfolados enxugam ao ar, abertos de cima a baixo, com um caniço em cruz metido no ventre.”

“… Todas as especialidades culinárias se anunciam: os paios de Castelo de Vide, os presuntos de Melgaço, os vinhos da Fuzeta e de Borba, as arrufadas de Coimbra, os biscoitos de Oeiras, as queijadas de Sintra, a marmelada de Odivelas, os mexilhões de Aveiro, as frutas secas de Elvas e de Setúbal, o pão de ló de Margaride, o massapão de Espanha, o caviar da Rússia, a mortadela de Itália, as “pralinés” e os” marrons glacés” de Paris, o salmão da Escócia, a “choucroute” da Alemanha…”
“… Dir-se-ia que uma indigestão nacional se prepara e que o estômago de Lisboa vai rebentar de fartura amanhã.”


Capa d’As Farpas

P.S.: Boas-Festas a Todos. Aos Residentes e aos Visitantes do “Prosimetron”!

Post de Alberto Soares.

Numa de Revivalismo: Bob Dylan - Must Be Santa

Fiquei muito espantada quando encontrei este Must Be Santa. Achei divertido!

Os meus franceses - 81


Françoise Hardy, mais uma vez...

São José !

Homenagem a São José:
Giotto (1267 - 1337), A Virgem, o Menino e São José, Fresco Cappella degli Scrovegni, Pádua, Itália




quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Boa tarde, boa noite!




A mesma canção, a mesma cantora e uns anos de intervalo.

TRÊS DESEJOS

Olhem à vossa volta e
de entre o que mais importa
digam-me
o que deitavam fora?

Carlos Bessa (1967), Em Partes Iguais, in Poemário, 2009, Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

Uma ronda pelas melhores sobremesas


Como estamos na época das guloseimas aproveitem e tomem nota dos restaurantes que servem as melhores sobremesas. De Norte a Sul, numa pesquisa da Visão Gourmet.
Restaurante Ferrugem, R. das Pedrinhas, 32, Portela, V.N. de Famalicão
No Ferrugem reinterpretam propostas populares com doses bem calculadas de rigor técnico e criatividade, como no caso do Romeu e Julieta. Foram buscar o morango, fruto associado à paixão, para a marmelada, mas por ser pobre em pectina, tiveram de recorrer ao agar-agar para a indispensável gelificação.
Restaurante Quarenta e 4, R. Roberto Ivens, 44 Matosinhos
O "chef" pegou na massa de sonhos e, em vez do limão e da canela, aromatizou-a com laranja, cardamomo e uma vagem de baunilha. No recheio, a novodade maior: chocolate branco. Um espanto, esta sobremesa de base típica com a adaptação de estilo contemporâneo.
Restaurante Casa do Aleixo, R. da Estação, 216, Porto
Ao contrário de uma certa tradição nortenha de fazer a aletria com água e açúcar, que lhe dá uma consistência dura, de cortar à faca, na Casa do Aleixo confecciona-se com leite e ovos, fica cremosa e come-se à colher. Adivinha-se que essa grande cremosidade advém do uso generoso dos ovos, a lembrar a doçaria conventual.
Restaurante Cozinha da Terra, Lugar da Herdade, 8, Louredo, Paredes
De uma receita de família, o queque de noz é servido quente, mal cozido, regado com ovos-moles e com uma bola de gelado de ovos-moles ao lado. À receita da avó com noz moída, farinha e ovos-moles, acrescentou o gelado, também de ovos-moles para ficar mais leve e "cortar" quer o quente quer o doce.
Restaurante O Galito, R. da Fonte, 18D, Lisboa
D.Gertrudes é uma cozinheira de mão cheia. Com os seus 80 anos de idade guarda as receitas na memória, como a do pão de rala, que faz como ninguém, embora diga que "é tudo normal: a massa com amêndoas, o recheio com gila e os ovos, e o açúcar em farinha por cima". Se lhe perguntam se tem algum segredo, limita-se a responder que "são coisas antigas, que a gente vai aprendendo"...
Restaurante Tavares, R. da Misericórdia, 35-r/c, Lisboa
A ideia surgiu de José Avillez que queria algo diferente. E pegou numa das coisas mais emblemáticas da doçaria portuguesa, o pastel de nata, decidido a servi-lo de outra maneira. A massa e o creme do pastel podiam mudar de forma e de sabores, e foi o que fez, acrescentando-lhe o gelado para contrastar temperaturas. Mantém um certo classicismo, porque é um mil-folhas; tem inovação, porque o creme é diferente; e o resultado é brilhante com o crocante da massa, o doce do creme e o toque da canela.
Restaurante Spazio Buondi, Av. Sacadura Cabral, 53B, Lisboa
O que é que o leite-creme do restaurante Spazio Buondi tem que faz deste doce tradicional e tão popular uma das suas sobremesas mais apreciadas? A textura certa e só leite, ovos, açúcar e uma colher de farinha de trigo, sem canela, nem limão, "para saber mesmo a leite-creme". Depois, é queimado na hora e fica com aquele douradinho apelativo do caramelo que vai estalar na boca. Uma delícia.
Fortaleza do Guincho, Est. do Guincho
O "chef" pasteleiro Fabian Nguyen escolheu o marmelo, por ser fruta do momento, bem maduro, sem manchas, com pele amarela e viva. Juntou gelado de baunilha para cortar a acidez natural do marmelo e para refrescar o prato; serviu num copo, à parte, o sumo, porque ajuda a "limpar" o excesso de sabor doce e a guardar o sabor do marmelo.
Restaurante Sessenta Setenta, R. de Sobre-o-Douro, 1A, Porto
Francisco Meirelles viu a sua pêra-rocha glacê premiada, mal a apresentou, e nunca mais pôde tirá-la da ementa. Pela sua textura firme, é ideal para ser cozida em vinho, açúcar, açafrão e flor de anis, lentamente, a baixa temperatura; retira-se a pêra, reduz-se o molho e serve-se com uma quenelle de tangerina. Além de a fruta ser cozinhada, beneficia da cor e do sabor dados pelos açafrão, que liga muito bem com o anis.
Restaurante Club, Av. Combatentes da Grande Guerra, 40, V. F. Xira
O pão-de-ló, à base de ovos batidos, tem permitido a Henrique Louro fazer muitas coisas e, desta vez, casou-o com azeitona, trabalhando-a como a ameixa de Elvas. Um pastelinho cremoso com uma belíssima apresentação e um sabor irresistível.

Sismo - 2


Quando visitei o Mausoléu dos últimos Reis de Marrocos, em Rabat, "venderam-me" a ideia de que as ruínas da Mesquita tinham sido consequência do terramoto de 1755. Senti uma proximidade grande entre este mar de colunas quebradas e o que teria sido a antiga baixa lisboeta em destroços.
Não tinha feito o trabalho de casa. Ao que parece, não será assim e a obra, com aquele minarete iniciado por Al-Mansor, nunca terá sido finalizada... É pena!

Eu e o processo Casa Pia...

Pelo que li hoje na Visão, corro o risco de me ver envolvido, ainda que incidentalmente, no Processo Casa Pia:

" (...) um dos crimes imputados ao embaixador Jorge Ritto terá ocorrido num determinado prédio da Alameda D.Afonso Henriques, em Lisboa. Mas os depoimentos em julgamento levaram os juízes a admitir que os supostos abusos tivessem sucedido noutro edifício. Vai daí, o advogado do diplomata requereu ao tribunal que instruísse a PSP para localizar e notificar os porteiros e dois inquilinos por andar de todos os prédios de número ímpar daquela artéria lisboeta (...) "

Sendo deferida esta pretensão da defesa, e uma vez que moro num prédio ímpar da dita Alameda, o melhor é ir-me preparando. Eu e a minha quase octogenária porteira. Se estiverem câmaras presentes, talvez aproveite para falar da desactivada Fonte Luminosa. Passam os meses, e ninguém explica. Pensando melhor, até é de aproveitar para meter uma cunha ao Ricardo Sá Fernandes para ele dar uma palavrinha ao irmão vereador...

Auto-retrato(s) - 40

Já vários auto-retratos de Vincent van Gogh passaram aqui pelo blogue, mas creio que este não, até porque se trata de um auto-retrato não assumido, um auto-retrato escondido. Mas não há dúvidas que é o pintor que olha para nós no centro desta La Cour de prison, pintada em 1890 e que se encontra no Museu Puchkin de Moscovo. Um quadro que faz todo o sentido como auto-retrato atenta a biografia asilar de Van Gogh, internado pelo menos duas vezes em hospitais psiquiátricos durante a sua curta vida.

Citações - 53 : Duas figuras da década


" (...) Um negro foi eleito pela primeira vez presidente da Harvard Law Review. Um negro candidatou-se pela primeira vez à presidência dos Estados Unidos. Um negro venceu pela primeira vez as eleições americanas. Infelizmente, foi sempre o mesmo negro. Continuamos sem saber bem se os Estados Unidos e o mundo resolveram parar de discriminar os negros ou só este em particular.
Em Portugal, José Sócrates foi eleito pela primeira vez a 20 de Fevereiro de 2005 e começou desde essa data a vestir cada vez melhor e a governar cada vez pior. No entanto, uma vez que sucedeu a Pedro Santana Lopes, durante uns meses chegou mesmo a parecer um bom primeiro-ministro. Nos primeiros cinco minutos do mandato, o nome de José Sócrates não apareceu associado a qualquer escândalo. (...) "


- Ricardo Araújo Pereira, Balanço de uma década , na Visão de hoje ( que é um número para guardar ).


Natal 2009 -17

Se celebrar o Natal é para todos- nascimento de Jesus para os cristãos, festa da família para os outros "homens de boa vontade -a magia do Natal é sobretudo para as crianças. Mas mesmo nós, os que já passaram esses anos despreocupados, acordamos em cada Natal as reminiscências da nossa meninice. Por isso aqui fica, com W. Disney, uma breve memória.

Uma escolha de Miss Tolstoi


O ANJO

Tive um Sonho! Que adivinha?
Era eu virgem Rainha:
Guardada por Anjo amável:
Dor sem razão, inconsolável!

Eu chorava dia e noite,
Ele limpava-me as lágrimas,
Eu chorava noite e dia,
Dele o coração escondia.

Abriu asas e fugiu:
A manhã corou rosada:
Sequei o pranto & escudei
Meu medo em lanças de lei.

Em breve o Anjo voltou;
Veio em vão, eu estava armada:
Pois fugira a mocidade,
Cabelo branco me cobrira.

William Blake
Trad. Manuel Portela

Retirei esta «Escolha de Miss Tolstoi» de um comentário que ela fez à nossa nova vinheta.

1970 : Andy Williams

A 17 de Dezembro de 1970, era gravada esta Where do I begin por Andy Williams, tema do filme Love Story que tanto kleenex gastou...

Notícias do dia - 2


A outra notícia do dia será certamente a aprovação pelo Conselho de Ministros do diploma que possibilitará em Portugal a realização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Um panorama mais simpático para uma minoria sexual que no Uganda ainda tem a vida complicada.
Mas há uma boa notícia vinda deste país africano: a reforma penal que está a ser preparada deixou, depois de muitos protestos internacionais, cair a pena de morte para a prática de certos actos homossexuais. Assim, quando a reforma penal for finalmente aprovada, a prática da homossexualidade e a sua defesa passarão a ser punidas apenas com pesadas penas de prisão e multas...

Notícias do dia - 1

Foi a cerca de 100km do Cabo de São Vicente, que vemos na foto, o epicentro do sismo desta madrugada. E felizmente que foi no mar, porque foi forte- 6.1 na escala de Richter. Se o meu relógio de pulso não me enganou, era 1h40 quando a minha cama tremeu e bem. Foram talvez 10 segundos mas agitados. A verdade é que, talvez pelo frio, desta vez não me levantei da cama para me pôr debaixo dela ou na ombreira da porta. No noticiário das 8 na Sic Notícias vi que alguns nossos compatriotas vieram mesmo para a rua. Assim nos vamos lembrando que, tal como Lisboa, o Algarve é zona de risco sísmico...

Pintar a solidão - 14

N.C. ( Newell Convers ) Wyeth, - Robinson Crusoe, óleo sobre tela, 1920.

Este quadro de N.C. Wyeth ( 1882-1945 ), um dos maiores ilustradores da História dos Estados Unidos, faz parte de uma série de 14 telas que serviram de base a uma edição ilustrada do livro homónimo de Defoe, publicada em 1920 pela Cosmopolitan Book Corporation.
Nesta série dedicada à pintura da solidão, não podia faltar a solidão do náufrago, hoje fenómeno raro, mas que durante séculos atormentou mais ou menos duradoiramente quem se aventurava pelos oceanos. E o mais conhecido náufrago da ficção é certamente Robinson Crusoe. Li e reli na adolescência, e ainda hoje guardo essa edição, a obra-prima de Daniel Defoe, inspirada pelo caso verídico do marinheiro Alexander Selkirk, naufragado nas Ilhas Juan Fernandez se a memória não me atraiçoa. E os naufrágios solitários à la Defoe sucederam-se nos séculos seguintes com as chamadas robinsonadas, por si só um género literário, que chegaram até ao século XX com naufrágios espaciais...
Na pintura, o tema suscitou interesse: há um desenho do Gabriel de Saint-Aubin no Louvre intitulado Robinson tenant le parasol, datado logo do séc.XVIII, e uma das minhas hipóteses para ilustrar esta solidão foi o quadro de Carl Offerdinger de 1880 intitulado Robinson e Sexta-Feira,que é talvez demasiado políticamente incorrecto, dada a atitude subserviente de Sexta-Feira, para o nosso gosto contemporâneo.
Quanto ao quadro que está supra, foi vendido juntamente com os outros 13 no início deste mês na Christie's de Nova Iorque dado que o seu proprietário desde os anos 20, a Wilmington Institute Library , precisava de dinheiro para se manter...

Onde gostava de morar de vez em quando!

Gostava de morar aqui, na Rue de Richelieu, próximo da Bibliothèque nationale de France, nº 58. Mais propriamente na mansarda central para ver a fonte e o parquezinho!
xx
A minha janela seria a do meio...

Na Rue de Richelieu encontramos Molière, mesmo próximo do meu parquezinho !


Coisas do céu ... 14.

Trajes para o teatro e não só, Rue Richelieu, Paris
x

Numa de Revivalismo: Pink Floyd Merry Xmas Song ( Merry Christmas Song)

Pink floyd merry Christmas song (christmas rare 1975) Nick Mason, Roger Waters, David Gilmour, Rick Wright, Richard Syd Barrett

HINO ÓRFICO À NOITE

Cantarei a criadora dos homens e deuses – cantarei a Noite.
Noite, fonte universal.
Ó forte divindade ardendo com as estrelas. Sol negro,
invadida pela paz e o tranquilo e múltiplo sono,
ó Felicidade e Encantamento, Rainha das vigílias, Mãe do sonho,
e Consoladora, onde as misérias repousam as campânulas de [sangue,
ó Embaladora, Cavaleira, Luz Negra, Amiga Geral,
ó Incompleta, alternadamente terrestre e celeste,
ó Arredondada no meio das forças tenebrosas,
leve afastando a luz da casa dos mortos e de novo te afastando tu [própria.
A terrível Fatalidade é a mãe de todas as coisas,
ó Noite Maravilhosa, Constelação Calma, Ternura Secreta do [Tempo,
escuta, ó Indulgente Antiga, a imploração terrena,
e aparece com teu rosto obscuro e lento no meio dos vivos [terrores do mundo.

Poema grego, versão de Herberto Hélder
In: Rosa do mundo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2001, p. 429-430

Depois de jantar num restaurante brasileiro...



Você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão

Pode me faltar tudo na vida
Arroz, feijão e pão
Pode me faltar manteiga
E tudo mais não faz falta não

Pode me faltar o amor
Isso que acho graça
Só não quero que me falte
A danada da cachaça

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O Natal na igreja de Saint-Eustache!

A igreja de Saint-Eustache foi construída entre 1532 e 1632. O estilo gótico permite ver as janelas rasgadas com vitrais de belíssimas cores. Como estamos na época de Natal, a igreja tinha um presépio montado com a seguinte particularidade: ausência do Menino Jesus. A imagem só deve ser colocada no dia 24 de Dezembro. Achei graça por estar habituada a ver nas igrejas portuguesas os presépios com a Sagrada Família. Apercebi-me que deve ser um costume parisiense e, provavelmente francês, porque nas igrejas de Sainte-Marie-Madeleine e de Notre Dame os presépios seguiam o mesmo simbolismo. Há uma preparação até ao nascimento de Cristo!

Presépio