Prosimetron

Prosimetron

sábado, 9 de julho de 2016

Os meus franceses - 468


Em geminação com o Arpose

Paris: Seuil, 1969
Já há uns dias que eu era para ter colocado este livro de Michel Rocard, comprado na Livraria Sá da Costa e que ele me autografou numa vinda a Portugal, penso que em 1975. Ou terá sido em 1974?
Não postei o livro antes porque tive preguiça de ir buscar o banco para tirar o livro da estante. :(
E dentro do livro encontrei este convite:




Moedas francesas do EURO

A Monnaie de Paris aproveitando a realização do Euro 2016 em França fez várias moedas e medalhas dedicadas ao tema.
Moeda prata de €10,00.
Esta moeda com valor facial de €10,00 vende-se por €79,00.
Moeda de ouro de €100,00

Esplanadas de Paris - 6

Estas esplanadas de cima são perto da BnF, François Mitterrand. Quem andará hoje por aqui?
Paris, junho 2016

Marcadores de livros - 420

Não são meus, mas não me importava de os ter.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Boa noite!

Voltamos ao filme sobre Fritz Bauer. Parece que esta sinfonia de Tchaikovsky era a música preferida do Procurador-Geral de Frankfurt.

O que é isto?

Durão Barroso vai ser presidente não-executivo do Goldman Sachs em Londres.


Durão Barroso esteve 10 anos à frente da Comissão Europeia. Vai ajudar o banco a "mitigar os efeitos negativos" do brexit.
O ex-presidente da Comissão Europeia, o português Durão Barroso, vai ser presidente de um dos maiores bancos de investimento do mundo, o Goldman Sachs International (GSI), avança a TSF. Segundo o banco anunciou esta sexta-feira, Barroso será presidente não executivo do GSI e consultor do Goldman Sachs já a partir deste mês.
(DN, Lisboa, 8 jul. 2016)

Uma mercearia em Paris

Paris, jun. 2016

Marcadores de livros - 419

Três coleções de marcadores de espetáculos das Marionetas do Porto.

Óscar
Bichos do Bosque
Polegarzinho

Reverso dos marcadores de cada uma das séries.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Os meus franceses - 467


Um quadro por dia


É do impressionista norte-americano Edward Henry Potthast ( 1857-1927 ) este A July Day, um óleo de 1914 . Uma das muitas cenas balneares retratadas por Potthast, tanto nas praias de Nova Iorque como em toda a Nova Inglaterra .

Ainda Paris


A Paris de Françoise Sagan, uma centena de páginas que nos conduzem do muito burguês Parc Monceau aos colégios religiosos, das caves de Saint-Germain ao luxuoso apartamento da avenida Foch que foi a sua última casa . Uma oportunidade de lembrar aquela que respondeu, quando a criticaram por ir apoiar uma greve num Ferrari, c' est une Maserati !  :)

" Pequenos prazeres "



Se não é possível comprar os livros que cobiçamos in loco, vai servindo esta empresa para os fazer chegar às nossas mãos . Uso menos do que já usei, até por falta de espaço, mas às vezes lá cedo à tentação ...

Humor pela manhã


Licenciatura finalmente anulada pelos tribunais, fica o caso para o anedotário nacional mas também pode ser pedagógico como se vê :)

Stefan Zweig: um enigma


O último número de Point. Grandes Biographies é dedicado a Stefan Zweig e é assim apresentado:  
«Vous aimez Stefan Zweig. Ses nouvelles si subtiles, ses biographies brillantes. Grâce à lui, vous avez l’impression d’y être, à Vienne, à Berlin, dans cette Europe au bord du gouffre mais si vivante, si créative du début du XXe siècle. Touché par Vingt-Quatre Heures de la vie d’une femme, ému par Lettre d’une inconnue, troublé par la Confusion des sentiments…Zweig vous a conquis, comme il a séduit des millions de lecteurs. 
«Mais lui, le connaît-on, cet auteur si ambivalent, engagé sans l’être, expert à exprimer les tourments de la psyché et multipliant en apparence les confidences… sans jamais vraiment parler de lui-même ? 
«Zweig est une énigme, dont ses amis déjà s’étonnaient. Ce dossier spécial est une invitation à découvrir l’homme et l’œuvre, leurs fulgurances et leurs ambiguités. Avec les analyses des meilleurs experts : Paul-Laurent Assoun, Isabelle Kalinowski, Jean-Pierre Lefebvre, Jacques Le Rider, Serge Niémetz».

Lisboa: Relógio d'Água, 2013
Lisboa: Relógio d'Água, 2013
Lisboa: Antígona, 2004

Gosto bastante de Sefan Zweig. Os dois primeiros livros referidos são os meus preferidos, com O mundo de ontem.

Marcadores de livros - 418

Marcador em cortiça. 

Obrigada, Jad!

Bom dia !

terça-feira, 5 de julho de 2016

Os meus franceses - 466

Uma canção criada em 1899 por Paul Delmet, frequentador do Chat Noir, aqui interpretada por Tino Rossi.

Pacotes de açúcar - 126


Obrigada, Cláudia!

Os pioneiros do desporto em França

Paris: De la Martinière: BnF, 2016

Com o Euro a decorrer em França, a BnF publicou, em coedição com De la Martinière, a obra Les pionniers du sport.
Philippe Tétart, historiador do desporto e dos media, tenta responder a perguntas como: Porque é que os franceses são apaixonados pelo ciclismo, pela marcha e pelo boxe? Como se implantou o futebol e o rugby em França? Quem foram os primeiros campeões? 
Pode  espreitar o livro aqui: http://editions.bnf.fr/les-pionniers-du-sport-0

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Boa noite!

Un'estate italiana - um Verão italiano

Após a derrota (lamentável) da Itália no campeonato de futebol europeu no sábado passado, e tendo ainda em consideração que alguns prosimetronistas estarão por terras italianas durante este Verão (alguns até estudam a língua italiana, saiba-se lá porquê e para quê...), não será descabido ouvir e recordar canções deste belo país ao longo das próximas semanas.
Compete a Sergio Endrigo (1933 - 2005) iniciar este Verão italiano. Os temas de Endrigo, um dos grandes nomes da música leggera italiana dos anos 60, nunca alcançaram muita notoriedade fora da península itálica, à excepção de Canzone per te, com que Endrigo (em dupla com Roberto Carlos) vencera o Festival de Sanremo em 1968, e que fora interpretado por Amália Rodrigues no célebre álbum "Vou dar de beber à dor" nesse ano. 
A canção sugerida, intitulada "Teresa", data de 1965 e representa bem o estilo deste cantor e autor, por muitos considerado o "último romântico".

Michel Rocard sobre o Brexit

Marcadores de livros - 417

Topkapi
Antáquia

Istambul

Amor e Amizade



Estreou na 5.ª feira este filme que ainda não vi. Mas li e o livro e pensava que já tinha falado dele nas Leituras no Metro, mas não. Li Amor e amizade há relativamente pouco tempo. Encontrei a edição da Planeta numa daquelas feiras de supermercado.
É com esta(s) novela(s) epistolográfica(s) de amores e desamores que Jane Austen inicia a sua carreira de escritora aos quinze anos. A escritora de quem Virgínia Woolf se interrogava: «Como saberia tanto das particularidades e universalidade da loucura humana?» 
O livro é belíssimo. Como será o filme?

Trad. Patrícia Xavier.
Mem Martins: Europa-América, 2006
Trad. Inês Fraga.
Almargem do Bispo: Coisas de Ler, 2007
Trad. Maria do Carmo Romão.
Lisboa: Planeta, 2008

domingo, 3 de julho de 2016

Os meus franceses - 465

Georgette Plana faria amanhã 99 anos.

A situação europeia


Num artigo em Le Monde (14 jun.), Hubert Védrine defendeu uma pausa na integração europeia. Numa entrevista a L'Obs (23 jun.), ele diz:
«Há muito tempo que não me revejo na linguagem automática sobre a Europa, "É preciso mais Europa", "É preciso um salto", "É preciso combater os egoísmos nacionais". Considero que a situação é agora gravíssima, que os povos estão, massivamente, descrentes, em especial devido à intrusão abusiva da União Europeia nas sua vidas. Somos parte de um mercado comum, que se tornou um mercado único, daí a ideia de produzir normas, o que foi feito de um modo "aytolesco", com gente em Bruxelas que se pôs a regulamentar até faltar água para o duche... tornando os cidadãos euro-alérgicos.»