Prosimetron

Prosimetron
Prosimetron: termo grego que designa a mistura de prosa e verso.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Boa noite!

Um filme sobre os anos de Manuel Teixeira Gomes em Bougie (Argélia).
O filme vê-se bem, apesar de algumas incoerências, como a pena que escreve como uma caneta de tinta permanente. E não só.

Um quadro por dia - 330

Uma tela de Pieter Brueghel II ( 1564-1637/38 ) , Riche jetant des roses aux pourceaux, óleo sobre madeira, que integra as famosas séries de provérbios da dinastia Brueghel . Mudou de mãos no Dorotheum de Viena, em Outubro de 2013 .

Biografias e afins


Uma surpresa esta nova obra de Elisabeth Badinter : não se esperaria que a filósofa, especialista do Iluminismo, feminista, próxima dos socialistas franceses, se ocupasse da Imperatriz Maria Teresa ( 1717-1780 ) . Não é exactamente uma biografia, nem um ensaio sobre o longo reinado de 40 anos , mas antes um estudo sobre as diversas facetas, por vezes contraditórias, de Maria Teresa : mulher, mãe ( de 16 filhos ) e monarca .

Le Pouvoir au féminin. Marie-Thérèse d' Autriche, 1717-1780, l' impératrice-reine, Flammarion, 366p, € 20 .

Poemas - 98


Apocalypse Now


Minutos antes do fim do mundo, 
os poetas
retiraram as vírgulas aos textos e os
títulos aos textos
e a roupa ao corpo e os anéis aos 
dedos
porque não havia tempo
para tanta ostentação.

Porém os amantes que, à mesma
hora, entretidos
liam um ao outro poemas de amor
no barroco banco do jardim
não imaginavam
o trabalho que aquilo lhes dava.

- Filipa Leal

Lá fora - 289





Últimos dias para visitar esta exposição patente no Petit Palais, em Paris, com 200 peças sobre a Arte da Paz , Segredos e Tesouros da Diplomacia , com 60 tratados e outros documentos provenientes dos arquivos de Estado , complementados com obras de arte das respectivas épocas .

Humor pela manhã


:)

Bom dia !



A soprano francesa que obteve recentemente um Grammophone Award na categoria solo vocal pelo disco Néère, dedicado a melodias francesas .

Marcadores de livros - 581

Verso e reverso de três marcadores.

Mário Soares: memorabilia - 2

O 'cozinheiro' Mário Soares, aqui acompanhado por dois amigos 'futebolistas': Felipe González e François Mitterrrand.

Também tenho um Mário Soares transformado em rei, com uns calçonitos à D. Sebastião: um espetáculo! Aqui há tempos meti-o numa caixa porque tive medo que se partisse: a estante onde ele se encontrava estava muito cheia e o barro estava um pouco periclitante.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Boa noite!

Um quadro por dia - 329



Este Chrysanthèmes dans un vase en verre foi pintado nos anos 50 pelo franco-chinês Chang Yu, mais conhecido como Sanyu ( 1901-1966 ) , e vendido a 26 de Novembro na Christie's de Hong Kong pelo equivalente a 12,8 milhões de euros .

Citações



(...) do pudor reverencial com que alguma esquerda ainda hesita em classificar Estaline como aquilo que ele, sobretudo, foi : um assassino sádico e irracional. De facto, a grande diferença é que Hitler foi um psicopata e um assassino de massas, mas em obediência a um programa político anunciado no Mein Kampf e que os alemães sufragaram, enquanto que Estaline foi um assassino sem causa, que se arvorou como grande líder sobre o heroísmo dos russos e aquilo a que Pasternak um dia chamou " a nossa maldita capacidade de resistência ao sofrimento " . Mas até nos pormenores reveladores ele não ficou atrás de Hitler : também perseguiu e matou judeus, ciganos e homossexuais. O grande problema moral que Estalina coloca a uma certa esquerda é que a biografia de Montefiore não revela nada que não se soubesse já há muito tempo. E, durante todo esse tempo, duas gerações de intelectuais e militantes de esquerda não quiseram ver a verdade que bradava aos céus. A jornalista francesa Dominique Desanti, ex-militante do PCF, conta essa história num livro justamente chamado " Les Staliniens " , publicado há mais de 30 anos. Já toda a gente sabia tudo, então : Sartre, Picasso, Aragon, Moravia e tantos outros. Todos sabiam e todos calaram. Aos que estão vivos, talvez lhes faça bem recordarem.

- Miguel Sousa Tavares, no Expresso do passado Sábado .

Lá fora - 288





50 peças do guarda-roupa imperial de Josefina, da sua filha, a rainha Hortênsia, e de algumas damas da corte , preciosos testemunhos do luxo e refinamento do I Império, estão expostos actualmente na Malmaison. Uma ocasião imperdível, já que raramente são expostos pela fragilidade dos tecidos , e também porque é o único guarda-roupa bem conservado a par do da Imperatriz Eugénia que está em Compiègne .

Algumas das peças tinham sido conservadas pelos príncipes Napoléon, outras regressaram a França inesperadamente : em 1927, aquando do leilão da biblioteca de Augusta-Amélia da Baviera, a nora de Josefina, o conservador da Malmaison vai a Munique para comprar livros que não trouxe, voltando antes com três mantos de corte que pertenceram a Josefina .

Não era uma mulher alta, tinha 1,63m , mas foi sempre elegante, como testemunham estes vestígios de um imponente guarda-roupa que também não podia subsistir inteiro já que a roupa usada , a menos valiosa claro, era depois dada às damas de companhia como atestam os registos ainda hoje conservados .

Dans les armoires de l' impératrice Joséphine, até 6 de Março de 2017 , no Château de Malmaison, todos os dias menos à Terça-feira , € 6,50 , parking gratuito . chateau-malmaison.fr

Humor pela manhã



Não se pode dizer que o sr primeiro ministro não esteja à vontade na Índia, como se vê pela foto tirada em Bangalore, onde recebeu o turbante e o manto de seda tradicionais .

Bom dia !




Um medley do grande Louis Prima .

Marcadores de livros - 580

Um marcador magnético.

Gracias, Luisa!

Leituras no Metro - 267

«Recriar a viagem de Madrid a Paris colocava-me algumas dificuldades técnicas. […]
«Embora os roteiros de caminhos impressos existissem há dois séculos, na época desta história, com a moda das viagens e a curiosidade própria do século, este tipo de guias tinha-se popularizado, editando-se em formato de pequenos manuais de viagem que descreviam os percursos entre as capitais europeias ou os trajetos para as províncias, com a distância em léguas […].

Esta ed. é de 1760.

Jaillot, 1763

«Eu dispunha na minha biblioteca de alguns desses guias, e outros obtive-os para construir esta história. Sobre itinerários espanhóis acabou por ser mais adequado o de Escribano, editado em 1775, enquanto os caminhos e postas franceses estabeleci-os através do guia impresso em Paris por Jaillot, em 1763. Precisava também de mapas que mostrassem caminhos, povos e cidades do seu tempo; e num leilão de livros antigos consegui arranjar, num bom golpe de sorte, um volume raro e grosso em grande formato que continha a obra completa de Tomás López, o espanhol que cartografou toda a Espanha de finais do século XVIII. No que se refere à França, a solução foi-me dada por uma velha amiga, a alfarrabista Michèle Polak que, na sua loja de Paris, especializada em navegação e viagens, me conseguiu um exemplar em muito bom estado da Nouvelle carte des postes de France.
«- Tenho uma coisa que te vai interessar – disse-me ela por telefone.
«Quatro dias depois, eu estava em Paris. Qualquer pretexto era bom para mergulhar na sua multivariada gruta das maravilhas da Rue de l’Échaudé, onde os livros se empilham em estantes e em montes no chão, em volta de um aquecedor elétrico que temo sempre vir a pegar fogo a tudo?» 
Arturo Pérez-Reverte - Bons amigos. Alfragide: Asa, 2016, p. 75-76.

http://www.justacote.com/paris-75006/librairie/librairie-polak---marine-voyages-1291111.htm

Gosto do modo como Pérez-Reverte construiu este romance, entremeando a trama com o modo de pesquisas que fez para a construir de um modo credível. 

Mário Soares na Livraria Lumière

Bela homenagem!

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Boa noite!

Flores para Mário Soares

http://www.viaflores.com.br/floriculturainternacional/floresparraespanha/cravosvermelhosESP
http://docevidadeana.blogspot.pt/2010/07/rosa-amarela-cravo-vermelho-e.html



Bom dia !




O fim de uma era .

Mário Soares: memorabilia - 1


Há por cá mais coisas das campanhas Soares é fixe, mas dá-me trabalho procurá-las.

A História começa na Mesopotâmia

A propósito da exposição L' Histoire commence en Mésopotamie, que se encontra em Lens, lembrei-me deste livro que li no 1.º ano da faculdade e de que gostei imenso:

Lisboa: Europa-América, 1963

A História começa na Suméria porque foi lá que se inventou a escrita. A Suméria ocupava o sul do Iraque e do Kuwait. E vejam a destruição que tem acontecido no Iraque...