Prosimetron

Prosimetron

sábado, 8 de janeiro de 2011

Boa noite!


Shirley Bassey faz hoje 74 anos.

A cozinha em exposição

A Biblioteca Nacional de Espanha tem patente a exposição La cocina en su tinta, comissariada por Ferrán Adriá, Isabel Moyano e Carmen Simón Palmer, sobre a evolução da cozinha e da gastronomia, desde a Idade Media até à actualidade. Uma viagem feita através das colecções de manuscritos, livros, revistas, fotografias, cartazes, materiais publicitários e música, da BNE, enriquecida com testemunhos audiovisuais de alguns dos cozinheiros espanhóis mais importantes.
Mais informações em:
http://www.bne.es/es/Actividades/Exposiciones/cocinatinta.html

Biblioteca Nacional de Espanha
Até 13 Março

Como se costuma dizer, «todos os malandros têm sorte». Pode ser que eu também a tenha e possa ir ver a exposição. Nunca se sabe...

No meu sofá, a ler... - 1


Mary Cassatt - Young lady reading, 1878

... quando me lembrei deste painel de Columbano:

Painel de Columbano Bordalo Pinheiro, na Sala dos Passos Perdidos (Assembleia da República), retratando Manuel Fernandes Tomás (o que está virado para nós), Manuel Borges Carneiro e Joaquim António de Aguiar.

Recordando Mouzinho de Albuquerque


Joaquim Augusto Mouzinho de Albuquerque, suicidou-se neste dia, em 1902. Herói das batalhas de ocupação da colónia de Moçambique, foi nomeado, pelo Rei Dom Carlos, Aio do Príncípe Real Dom Luís Filipe, dizendo-lhe: "Faze dele um homem e lembra-te que há-de ser Rei". Não o foi porque as balas de miseráveis assassinos lhe cortaram a vida aos vinte e um anos.

Ao ser nomeado Aio de Dom Luís Filipe, escreveu-lhe uma carta em que traça a sua visão do que deve ser a educação de um Príncipe português. Dessa carta deixo aqui um breve trecho:

"Triste do homem que só cuida do presente, que só preza a intimidade dos vivos. Pobre daquele que precisa adormecer para sonhar com o futuro. No olhar saudoso para o que já passou, no imaginar o que há de vir se vai formando a alma, se lhe vão apurando as qualidades, desenvolvendo a força. E chegada a ocasião de as aproveitar, de as pôr em acção, cai-se-lhe em cima como o milhafre sobre a presa e não se deixa escapar. A ciência da vida assemelha-se à arte da guerra, em que numa e noutra é mais preciso que tudo aproveitar as ocasiões e para o fazer é necessário o exercício constante, a trenagem; ora, o estudo e a meditação constituem a trenagem do espírito."

Recordando Mitterrand - 2


«La liberté est une rupture. Elle n'est pas une affaire de courage, mais d'amour.»

«Ma liberté ne vaut que si j'assume celle des autres. La liberté de nos adversaires n'est-elle pas aussi la nôtre?»
François Mitterrand (1916-1996)

Duas vidas perdidas

A de Carlos Castro, que depois de uma vida a construir uma imagem morre atrozmente num quarto de hotel em Nova Iorque, mas também a de Renato Seabra, modelo de 20 anos, que tudo parece indicar ser o homicida. E os media portugueses, especialmente os do "social", vão ter com que se entreter durante os próximos tempos.

Mais um pontapé na gramática...


Bom dia !

A começar com John Legend e esta bela Good Morning. E parece que vai ser um fds molhado.

A cor, a forma e a música!

Como podemos olhar as coisas:
x
«Matisse: cor, Picasso: forma. Duas grandes vias, num grande objectivo»
x
Wassily Kandinsky, Do Espiritual na Arte, Lisboa: D. Quixote, 2010 (8ª edição), p. 46.
x
Pablo Picasso, "Ulises y las sirenas" , 1947
x
Matisse, Madame de Pompadour, 1951

Litografia (80.01 x 59.06 cm)
Erik Satie - Gnossienne No.5

Recordando Mitterrand - 1


«Dans la vie politique, on ne se fait pas, on ne se crée pas de véritables amitiés. On a quelques bons compagnons.»
Faz hoje quinze anos que morreu François Mitterrand (1916-1996).

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Os meus franceses - 119


E como há três dias me lembrei de Maxime Leforestier, aqui fica, com Zazie, numa versão da canção de Jacques Brel. Boa noite!

Fez boa companhia...


Abri-a ontem, finalmente. E fez boa companhia ao jantar (frugal), ao bolo-rei e, principalmente, às sultanas. Quando tirei o arame, a rolha saltou e algum deste precioso líquido caiu dentro na taça das sultanas. Ficaram deliciosas.
Quem bebeu deste espumante... gostou. E não esquecemos quem o ofereceu.
À nossa, de todos nós!

Para APS

Da cidade envio este conjunto de imagens das iluminações de Natal 2010 que ainda continuam todas a funcionar. A árvore de Natal do Toural está linda!

Citações - 146

How can you frighten a man whose hunger is not only in his own cramped stomach but in the wretched bellies of his children? You can't scare him-he has known a fear beyond every other.

- John Steinbeck, in The Grapes of Wrath, 1939.

Pior do que a nossa fome, é a fome dos nossos filhos- é este um dos fios condutores de As Vinhas da Ira, o grande romance que deu a Steinbeck o Prémio Pulitzer em 1940, e que é provavelmente a obra maior sobre os efeitos sociais da Grande Depressão. Um livro que volta a ser falado quando nos EUA nunca tantos milhões estiveram desempregados ou tantas famílias perderam as casas. Logo no ano seguinte, 1940, foi feita a primeira adaptação cinematográfica com Henry Fonda a ter um dos seus melhores desempenhos:




Novidades - 164

Luc-Albert Moreau (1882-1948), Verdun, 1925, óleo sobre tela.
Uma obra que mostra que nem todos os pintores franceses das primeiras décadas do séc.XX estavam ligados, ou ficaram ligados, ao Cubismo. Nomes como Luc Moreau, Dufresne ou Boussingault.

La Jeune Peinture Française. 1910-1940, une époque, un art de vivre,
Michel Charzat, Hazan, 192 p , € 42 (preço na net).

Para Malangatana

She&Him

Ela e Ele, uma encantadora dupla norte-americana. Uma pop leve e bem disposta.

Números - 39


44.000.000

Segundo revelaram os administradores da maior rede social do mundo, foi este o número de utilizadores que mudaram o seu estado para solteiro/a em 2010, enquanto que o número de recém-casado/a se quedou apenas pelos 36.000.000.
Interessante seria saber, digo eu, qual o papel desempenhado pelo FB nestas alterações...

A solução

A novela brasileira a que eu me referia ontem, com uma banda-sonora notável, era esta O Casarão, exibida pela primeira vez no Brasil em 1976.

Mestre Quitério

Este livro de José Quitério recebeu o prémio Gourmand World Cookbooks Awards de 2010 como melhor obra de literatura gastronómica publicada durante o ano que agora terminou.

Beauty Mark - Charlotte Gainsbourg

Charlotte Gainsbourg Beauty Mark

Charlotte Gainsbourg é filha de Serge Gainsbourg e de Jane Birkin.


quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Os meus franceses - 118


Hoje é dia de partitura - um presente dos Reis. Só que a minha é em preto e tons de laranja - muito mais gira!


Boa noite!

Frutas - 40


Eugène de Blaas (1843-1931) - Jeune fille aux grenades


William Bouguereau (1825-1905) - Orientale à la Grenade, 1875


Jean-Paul Saint (1842-1875) - Jeune femme au grenade

Porque hoje é dia de romãs. E este ano há-as maravilhosas.

Bolo-Rei em dia de Reis

Lisboa: Bijou do Calhariz.

No dia de reis...

No dia de Reis há quem arrume o presépio e as decorações de Natal. Cá em casa e na família o presépio só se tira depois do dia de Reis. Neste dia a pequenada cantava as Janeiras para os adultos oferecerem chocolates, rebuçados e caramelos.
x
Como não tiro o presépio coloco aqui o mais original que vi até hoje. Estava exposto na Casa da Cultura de Coimbra numa exposição sobre "Presépios". A exposição mostrava presépios de todas as regiões portuguesas executados com variados materiais. Um dos mais interessantes era da Rosa Ramalho. O mais original era de:
António Faria Vieira, Felgueiras.

Fim de almoço

Que será isto entre os pratos? Uma sobremesa? Um doce a quem adivinhar!

Auto-retrato(s) - 77

Israhel van Meckenem, Auto-retrato com a mulher, 1490, gravura, British Museum, Londres.


Esta obra produzida na Alemanha nos finais do séc.XV é o mais antigo auto-retrato gravado que se conhece.

Em português - 67

Comecei o dia a cantarolar esta maravilhosa canção do Hermes Aquino, mas não é preciso nenhum esforço psicanalítico para saber porquê: foi de olhar para o céu. O pior é que as que vi não pareciam nada passageiras... E este tema fazia parte de uma das telenovelas brasileiras que mais apreciei. Aqui fica o desafio: quem se lembra de qual era?

Novidades - 163 : Regresso ao Séc.XIX


Já por várias vezes me referi nestas páginas à actual celeridade das traduções de títulos estrangeiros no nosso país, mas quando mais a quero ela falta-me! Falo, como se vê supra, do mais recente (Outubro de 2010) romance de Umberto Eco, Il Cimitero de Praga, um romance histórico delicioso. Tenho andado num dilema de compro/espero, porque se é verdade que leio italiano razoavelmente também é verdade que a erudição de Eco talvez aconselhe aguardar pela tradução portuguesa.
E de que trata este sexto romance de Eco? De tudo o que há de mais interessante na segunda metade do séc.XIX!!!- as primícias dos republicanismos e socialismos, Jesuítas contra Maçons, Carbonários a explodirem coisas e pessoas, o interesse renovado pelo Satanismo, o aparecimento do tristemente famoso Protocolo dos Sábios de Sião etc...
Tudo isto numa trama que anda entre Praga, Turim e Palermo , e que mistura personagens inventadas, pois é um romance, com figuras históricas como Léo Taxil ou Dreyfus. E o tom é do grande género popular daqueles tempos: o folhetim, com todos os seus ingredientes- cadáveres pelos esgotos, segundas mortes, testamentos insólitos e mortes rituais.

No Metro

Tal como eu, quem é utente do Metro pode ter já reparado na capa da Happy Woman deste mês que se encontra nas vitrines publicitárias das estações do Metro de Lisboa. Embora goste bastante de revistas, não costumo prestar muita atenção a este segmento do mercado embora tenha que confessar que dois destaques presentes nesta capa me prenderam a atenção:
o primeiro, Elas gostam de roubar os parceiros das outras, não porque seja novidade para mim porque todos sabemos que há homens e mulheres que têm a febre dos casados, mas pelo facto de aparentemente a revista obter testemunhos sobre tal fenómeno; agora o segundo destaque é que me intrigou deveras - Sexo em voos privados por 200 euros. Que raio será isto?!
Acho que vou perguntar à mãe ou à mana se têm a Happy Woman deste mês...

Um Rei!




Numas arrumações encontrei este programa de um dos espectáculos que o Royal Ballet veio dar a Lisboa, em Junho de 1968, com Margot Fonteyn e Nureyev. Nesse ano, vi esta companhia três vezes (duas no Coliseu e uma no São Carlos), mas só encontrei este programa, referente ao primeiro espectáculo. Pode ser que qualquer dia apareça o outro. No primeiro dia, dançaram o Concerto n.º 2, de Shostakovich, e Giselle, de Adolphe Adam. No dia seguinte, foi a vez de O Corsário, bailado que ficou para sempre gravado na minha memória, pelo modo como Nureyev se elevava do chão e pela sua atitude em palco.
X
Faz hoje dezoito anos que Nureyev morreu.


Se já coloquei este vídeo, perdoem-me.

Adoração dos Magos


Adoração dos Magos
Azulejo, século XVII
Carcavelos, Igreja paroquial


Um bom dia!

Três capas de Emérico Nunes


ABC, Lisboa, Mar. 1922


ABC, Lisboa, 3 Fev. 1927


Ilustração, Lisboa, 1 Mar. 1927

Emérico Nunes, um dos pioneiros da banda desenhada em Portugal, nasceu em Lisboa a 6 de Janeiro de 1888.
Biografia em: http://www.sines.pt/PT/concelho/personalidades/emmerico/Paginas/default.aspx

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Os meus franceses - 117


Cora Madou (Jeanne Odaglia, de seu verdadeiro nome) nasceu em Marselha em 5 de Janeiro de 1891, tendo falecido em 1971. As suas canções mais conhecidas são «J'ai rêvé d'une fleur» e «Tu m'fais rire» que ficarão para um próximo post.

Para Malangatana: À laia de homenagem


Malangatana - Mural
Maputo, Centro de Estudos Africanos

A CORUJA

A coruja agoira-me
e diz-me que nunca chegarei
além onde o desejo me leva
e assim evapora-se o sonho;

O tambor foi tocado
na noite densa do feitiço
enquanto Kokwana* Muhlonga
apitava o Kulungwana* mortal;

Na noite sem estrelas
dois gatos pretos iluminaram
a cabana da Kokwana Hehlise
que morreu depois dos gatos terem miado.

Eu lutando comigo só
é impossível vencer as ondas
que feiticeiramente me esboçam
as corujas, gatos e tambores.

Malangatana Valente - Vinte e quatro poemas. Lisboa: ISPA, 1996, p.35

Lembro-me de Malangatana e da sua pintura, desde sempre. Penso que o meu primeiro contacto vivo com a pintura africana foi através das suas obras.
As suas poesias só conheci recentemente.

Tudo acompanhado de música moçambicana: David Macuácua e a banda Ghorwane, fundada há 27 anos.

In memoriam - Malangatana

Soube há poucos minutos que Malangatana faleceu hoje. Em sua memória deixo esta tela que é uma das que gosto.
x
Malangatana* (1936-2011), "Perturbação na Floresta" 1987
x

Óleo s/ tela. 89 x 153 cm.

*«Nasceu em Matalana, em 1936. Estudou na Escola da Missão Suiça de Matalana e na Escola da Missão Católica de Ntsindya, em Bulaze. Depois de obter o diploma da 3ª classe rudimentar, vai para Lourenço Marques (Maputo). Em 1958 frequentou o Núcleo de Arte onde conhece o pintor Zé Júlio, que o apoia. Em 1961 efectuou a sua primeira exposição individual. Em 1971 foi bolseiro da Gulbenkian em gravura e cerâmica. Recebe a Medalha Nachingwea pela contribuição dada à cultura Moçambicana. Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique»

Um bom almoço!


Wei Jar - Pavões e peónia
Pintura em seda



CORTAR O TEMPO

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança,
fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar
e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação
e tudo começa outra vez, com outro número
e outra vontade de acreditar
que daqui pra diante vai ser diferente.

Carlos Drummond de Andrade

Vinheta



Para esta semana, não foi necessário grande imaginação. Nas buscas de imagens, achei significativo lembrar a Madeira, tão sacrificada no ano que passou, e em especial o seu Museu de Arte Sacra, de tão agradável visita.

Mais informações sobre o quadro em http://www.museuartesacrafunchal.org/arteflamenga/flamenga_pintura_img3.html

Entretanto, para todos os fideles, régios ou não, (e já agora, para os demais), os votos de um Feliz 2011, malgré tout...

Cinenovidades - 165 : I know who killed me

Já está em exibição nas nossas salas, e embora não seja fã da protagonista, Lindsay Lohan, talvez vá vê-lo já que me pelo por um thriller. O título do filme foi um achado, espero que o conteúdo corresponda.

Um quadro por dia - 125

Georg Flegel, Natureza morta com arenque, 1635, óleo sobre tela, Wallraf-Richartz Museum, Colónia, Alemanha.

O maravilhoso Flegel, verdadeiro rei das naturezas mortas, volta ao Prosimetron a propósito de um ditado francês que descobri ontem à noite:

le poisson sans boisson est poison

Poemas - 25

Um dos mais famosos poemas de língua inglesa dos "tempos modernos", decorado por gerações de britânicos e não só.

O que 'comemos' enquanto lemos...


«Foi com Alexandre Dumas que comi as melhores omeletas com toucinho.»
Jacques Laurent (1919-2000) [nasceu em Paris a 5 de Janeiro]

1.ª retrospectiva de Manet

A 5 de Janeiro de 1884, pouco depois da morte de Manet, abriu a primeira grande exposição da sua obra, na Escola de Belas-Artes de Paris, organizada por Berthe Morisot e pelos irmãos, Eugène e Gustave Manet. As cerca de 180 obras apresentadas (óleos, pinturas a pastel, aguarelas, desenhos e litografias) pertenciam à família, aos amigos e alguns (poucos) coleccionadores:
«Toute cette peinture jeune, vivante, va faire vibrer ce palais des Beaux-Arts, habitué à de l'art mort. Ce sera la revanche de tant de déboires, mais revanche que le pauvre garçon prend sous la terre.» (carta de Berthe Morisot a sua irmã, Edma).
Foi sempre um desejo de Manet mostrar ao público a obra no seu todo: «Tu sais, moi, il faut me voir en entier - dizia Manet ao seu amigo Antonin Proust. Et je t'en prie, si je viens à disparaître, ne me laisse pas entrer dans les collectoions publiques para morceaux, on me jugerait mal.»
Quando a exposição abriu, Berthe Morisot escreve à irmã: «Le public des connaisseurs est étonné de voir la force que prend son oeuvre ainsi exposée en entier. Il y a une sûreté d'exécution, un faire magistral, qui s'impsent même aux ignorants et qui nous abasourdissent tous. [...] Le matin de l'ouverture, Stevens, Chavannes, Duez disaient: "Depuis le père Ingres, nous n'avons rien vu d'aussi fort", et nous, les vrais fidèles, nous disons: "C'est beaucoup plus fort."»


Olympia
Óleo sobre tela, 1863

Na Exposição Universal de 1889, encontrava-se exposta Olympia, ainda na posse da viúva. Claude Monet decide então organizar uma subscrição para adquirir o quadro e oferecê-lo ao Estado. Primeiramente esteve exposto no Museu do Luxemburgo, onde o Estado enterrava as obras que não considerava dignas de figurar no Louvre, onde só veio a entrar em 1907, graças a Clemenceau, então primeiro-ministro. Hoje é um dos tesouros do Museu d'Orsay.

A cidade como labirinto!

Rua Nova, Tomar

2/1/58

A cidade. A cidade como labirinto. (Não há labirintos no campo.) Isto, entre outras coisas atrai-me.
A cidade é vertical. O campo (+ subúrbios) horizontal.

Susan Sontag, Renscer, Diários e Apontamentos 1947-1963, Lisboa: Quetzal, 2010, p. 202

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Mais estatísticas prosimetrónicas - 2


Até à data, é a bela e talentosa Julie Christie que merece o título de maior chamariz destas páginas, já que é um post sobre ela do Filipe V.Nicolau publicado em Abril de 2009 que tem o maior número de visualizações deste blogue: 3.913.
O segundo post mais visitado até hoje é da autoria da nossa M.R., versando sobre René Lacoste e publicado em Julho de 2010: 3.701 visualizações.

Poemas - 24

A Ballade des pendus de François Villon, dita por Gérard Philippe.

Mais Vivaldi

Fabio Bondi e o seu Europa Galante continuam a gravar óperas de Vivaldi. Desta vez, numa edição da Virgin Classics, é a Ercole sul Termodonte com as vozes de Joyce DiDonato, Jaroussky e Villazon. Melhor é impossível...


O chá das cinco - 17


Credit: © Museum of London / Heritage-Images
Foto de 2 Jul. 1953.
Montra decorada para comemorar a coroação da rainha Isabel II.

Esta é a Lyons Tea Shop, onde Tuppence e Tommy vão tomar chá no início de O adversário secreto (que ontem comecei a ler), que abriu em 1894 no n.º 213 de Piccadilly e foi a primeira destas casas de chá. É neste encontro que resolvem constituir a empresa «Jovens Aventureiros, Lda.», com este hipotético anúncio de jornal: «Dois jovens aventureiros oferecem os seus serviços. Dispostos a tudo, prontos a ir a qualquer parte. A remuneração deve ser compensadora. Não se recusa nenhuma proposta.»

«- Ora, meu caro – interrompeu Tuppence – nada há que eu não saiba a respeito do custo de vida. Eis-nos aqui no Lyons e cada um pagará a sua parte. Está combinado! – E Tuppence começou a subir as escadas.
«A sala estava repleta e ambos vaguearam a esmo à procura de uma mesa, escutando fragmentos de conversas. […]
«- Coisas engraçadas que a gente ouve sem querer! – murmurou Tommy. – Passei hoje na rua por dois sujeitos que palestravam a respeito de uma pessoa chamada Jane Finn. Você já ouviu falar nesse nome?
«Nesse momento, duas senhoras idosas levantavam-se e recolhiam os seus embrulhos, e Tuppence destramente ocupou uma das cadeiras vagas.
«Tommy encomendou chá e brioches. Tuppence pediu chá e torradas com manteiga.
«- E não se esqueça de trazer o chá em bules separados – acrescentou a rapariga energicamente. […]
«Veio o chá, por fim, e Tuppence, despertando de uma abstracção meditativa, deitou-o na chávena.
«- Agora – disse Tommy, pegando num bom pedaço de brioche – coloquemo-nos em dia um com o outro. […]
«- Muito bem. – Tuppence serviu-se da torrada com manteiga. [...]
«- [...] Um brinde ao nosso êxito. - [Tuppence] Deitou uns restos de chá frio nas duas chávenas.
«- À saúde dos companheiros de façanhas que possam prosperar!
«- À Empresa «Jovens Aventureiros, Lda.» - respondeu Tommy.»

Agatha Christie O adversário secreto. Lisboa: Livros do Brasil, ca 1990, p. 220-221, 227. (Obras de Agatha Christie; 1)




A orquestra americana de Paul Specht (1895-1954) tocou na reabertura de uma Lyons Corner House, em 20 de Maio de 1923.
X
Para o Jad, ainda no seguimento dos seus «Heróis da Literatura - IV».

Como minizar o impacto do custo de vida?

O Diário de Notícia entrevistou Marcelo Nuno (Presidente da Águas de Coimbra) que nos dá alguns conselhos "sobre formas de poupar em 2011"...

E qual não é o meu espanto, um dos principais conselhos: "Beber menos bicas por dia, por exemplo". (DN,2.01.2011, p.64)

Qualquer dia só podemos cheirar os selos... mas também já não se escreve por correio normal!

Um quadro por dia - 124

Cosmas Damian Asam, S.Bento, 1735, óleo sobre tela, Abadia de Weltenburg, Baviera.

Porque hoje acontece o primeiro eclipse solar, parcial, de 2011, embora as nuvens por cá não devam deixar ver grande coisa de qualquer maneira. Mas Asam, o autor desta tela, deve ter visto bem já que os historiadores de arte acreditam que ele terá presenciado os eclipses solares totais de 1724 e de 1733 e neles se inspirado para executar esta obra.

Um segredo só de alguns...

Na Várzea de Sintra existe um segredo apenas ao alcance de alguns: o Ateliê de Doçaria Paixão de Chocolate. É um autêntico universo de iguarias de chocolate e não só graças ao talento de Leonilde Moreira, uma chef de pastelaria que já leva 22 anos de carreira. Depois da Escola de Hotelaria de Lisboa, Nini como também é conhecida, alargou horizontes ao partir para Paris, onde estagiou em casas de referência, como a Lenôtre, a Fauchon ou o Traiteur Saint-Claire. De volta a Portugal, passou pelo Alcântara Café, abriu a Gartejo com Vítor Sobral, até começar uma nova etapa no Ritz. Ainda foi dirigir a pastelaria dos hotéis Cliff Bay e Reid's, na Madeira, antes de avançar para um negócio próprio. Montou o ateliê em Cabriz e uma pequena loja no Magoito, onde vende as mais diversas iguarias dignas das melhores casas parisienses: tentações de chocolate, compotas, macarons, trufas de maracujá e framboesa ou orangettes. Mas ali também se confeccionam vários salgados, é só encomendar. Espreitem o sítio do ateliê e deliciem-se!
Paixão do Chocolate
Rua General Humberto Delgado, 1, Cabriz, Sintra
Tel. 219 241 625 / http://www.paixaodochocolate.com.pt/
Horário: 3ª a 6ª feira, 10-19h e Sábado, 10-13h e 15-18h

Cinenovidades - 164 : The Tree of Life

Poucos filmes, mas grandes filmes. É uma justa descrição do cinema de Terrence Malick, o mais reservado e intrigante realizador norte-americano. Um autor, no sentido que damos na Europa a tal palavra, e mesmo que os filmes não tragam milhões, a verdade é que os bons actores querem sempre trabalhar com ele. É o que acontece neste The Tree of Life/A Árvore da Vida que tem estreia marcada nas salas norte-americanas para o final de Maio, e que tem em Brad Pitt e Sean Penn os protagonistas. Foi o próprio Malick quem escreveu o guião.

Auto-retrato(s) - 76

Honoré Daumier(1808-1879), L'artiste en face de son oeuvre, 1863-1867, óleo sobre tela ( inacabada), 117x92cm, col.part.


Um novo recorde para uma obra de Daumier: a base de licitação era de €250.000-300.000, e acabou vendida por € 1.053.320 em meados do mês passado.

Renaud

Celebrando os 35 anos de carreira de Renaud, a EMI lançou este cd triplo que contém 59 dos melhores temas dele, sendo dois inéditos.
Aqui fica um dos "clássicos", Mistral gagnant:

View-master


Crónica Feminina, Lisboa, 6 Dez. 1973, p. 3

Para APS.