Prosimetron

Prosimetron

sábado, 11 de julho de 2009

まるです。

Aonde o leva o seu imaginário?

Faça uma viagem pelo seu imaginário ... espere um pouco depois de "clicar" e comece a viajar... é fantástico... não se esqueça de voltar aqui e comentar.

Um poema para o entardecer: O Gato!

O GATO

Na minha casa desejo ter
Uma mulher que imponha a sua razão
Um gato passeando entre os livros
E porque sem eles não posso viver
Amigos seja qual for a estação.

Guillaume Appolinaire, Assinar a Pele - antologia de poesia contemporânea sobre gatos, Organização de João Luís Barreto Guimarães, in Poemário da Assírio & Alvim, 2009.

Estátua de Camões


Passeando por Lisboa encontrei esta estátua de Camões... Terá sido este o primeiro monumento ao nosso poeta?
E onde se encontra hoje?

Parabéns Tozé !

Para o Tozé, que hoje faz anos, e lembrando a nossa viagem ao Rio. Quando lá voltamos?

Mobílias no Jardim da Gulbenkian


José Bechara - A Casa

Que tal vamos de Horas?

Sempre pontuais?

Miniatura do Livro de Horas de Margarida de Clèves
Holanda, século XV
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian

Um poema ao acaso!


Milão (2007), pormenor de um sarcófago

Atentado

Rasguei o cabelo ao Sol.
Rasguei os ombros à Lua.
Rasguei os dedos aos rios.
Rasguei os lábios às rosas
E rasguei o ventre aos frutos
E a garganta aos rouxinóis.
Mas ninguém (nem mesmo tu!)
Viu que, em tudo, o que eu rasgava
Era a imagem do teu corpo
Branco,
Firme,
Intacto,
Nu.

Pedro Homem de Mello: Poesias escolhidas, Lisboa, INCM, 1983, p. 242

Desejos de Verão - 2

Aqui está algo que também associo ao Verão, a sangria. Este ano ainda não bebi nenhuma, só porque não tem mesmo calhado, mas acho que vou começar por uma destas- de champanhe com frutos vermelhos.

Eterno Roy Orbison

Este é um verdadeiro dois em um, com um dos temas sublimes do grande Roy Orbison, In Dreams, e a cena em que ele é interpretado num dos filmes da minha vida- Blue Velvet, de David Lynch.

Quanto vale o vento e o vidro da janela do quarto?

Foto roubada no blogue "Chiclete de açúcar mascavo"

O valor do vento
Está hoje um dia de vento e eu gosto do vento
O vento tem entrado nos meus poemas de todas as maneiras e
só entram nos meus versos as coisas de que gosto
O vento das árvores o vento dos cabelos
o vento do inverno o vento do verão
O vento é o melhor veículo que conheço
Só ele traz o perfume das flores só ele traz
a música que jaz à beira-mar em agosto
Mas só hoje soube o verdadeiro valor do vento
O vento actualmente vale oitenta escudos
Partiu-se o vidro grande da janela do meu quarto

Ruy Belo : Orla Marítima e Outros Poemas, Lisboa, Assírio&Alvim, 2008, p. 25

Biografias, autobiografias e afins - 37

Já era altura de aqui trazer um livro em italiano, embora mereça ser traduzido, até para não ser acusado de desprezar a língua de Dante. Esta obra recente de Marcello Sorgi, antigo director do La Stampa, conta uma história que ficou secreta durante quase 60 anos, a história dos amores de Edda Ciano com um jovem dirigente comunista italiano a seguir ao término da Segunda Guerra Mundial.

Estamos em 1945, e à bela e turbulenta Edda Ciano, outrora poderosa filha de Mussolini e já viúva do conde Galeazzo Ciano ( fuzilado em 1944 ) , é fixada residência em Lipari, pequena ilha ao norte da Sicília.Edda, de 35 anos, apaixona-se pelo jovem Leonida Bongiorno, militante comunista e antigo resistente anti-fascista, que a vai ajudar e proteger durante os meses que se seguem. Uma paixão febril entre duas pessoas que tudo parecia afastar, e que terminará forçosamente com o regresso de Edda a Roma, já em 1946.

Em Roma, Edda não esquece o jovem comunista e continua a escrever-lhe cartas cada vez mais desesperadas, enquanto Leonida se vai afastando e acaba por casar com outra.

É com base nessas cartas de amor, descobertas num armário velho na casa de Edoardo, filho de Leonida, e noutros documentos provenientes de outras fontes, que Marcello Sorgi, com a ajuda do historiador Giovanni Sabbatucci, conseguiu reconstituir em detalhe os meandros desta paixão improvável entre a filha do Duce e o jovem militante comunista.



- Edda Ciano e il comunista. L' inconfessabile passione della figlia del Duce, Marcello Sorgi, Rizzoli, 2009.

Se razões fossem precisas... - 5

493. O Cardoso Pires era boa onda, um gajo porreiro e um grande escritor. O que ele escanhoou a língua portuguesa! Eu gosto muito dos que lavam a Língua. Há escritores que fazem isso. Despojam-na daquele excesso de ornamentação, de adjectivos, de descrições, de mobília, do raio que o parta.
Na poesia também acontece isso. A poesia é outro universo.

Tu lês o Mário Cesariny ou o Herberto Helder, ou o João Miguel ou o Joaquim Manuel Magalhães e ficas...
O António Franco Alexandre. O Rui Cinatti. É uma coisa devastadora. Portanto, o problema está resolvido. Pessoa. Camões. Quer dizer, o problema da nossa literatura está resolvido. Não é preciso inventá-la ou reinventá-la. Está escrita.

- Miguel Esteves Cardoso, in Mil razões para ler um livro/3 , Alma Azul, Abril de 2009.

Escanhoando, como ele disse do Cardoso Pires, os excessos e as blagues do MEC, dou por mim a concordar com as suas escolhas poéticas. Qualquer dos poetas que ele invocou é daqueles cujas palavras se cravam em nós. Para o bem e para o mal.

Um já foi

Não sei se deram por ela, mas ocorreu no final de Maio a primeira venda do lote de palácios e palacetes que a Câmara de Lisboa pretende vender, e de que falei oportunamente aqui no blogue. Pois bem, apesar da crise económica, foi bem sucedida a alienação do Palácio Braamcamp, situado no Pátio do Tijolo, 25, entre o Bairro Alto e o Príncipe Real e onde durante décadas funcionaram os Serviços Sociais da C.M.L. . Foi comprado por 2,4 milhões de euros ( 500.000 euros acima da base de licitação ) pela Alutel, empresa proprietária dos hotéis Barcelona, Madrid e Veneza, pelo que é de presumir que o seu destino será mesmo a hotelaria de charme.
Será que é desta que se desvenda um pequeno mistério de Lisboa? É que nunca foram explorados os 2 túneis que saem da cave do Palácio Braamcamp. Será que vão dar mesmo a S.Bento como alguns olisipógrafos alvitram? Devíamos perguntar à Alutel.

A 22ª Europalia

- O caminho sagrado que conduz aos túmulos Ming, Pequim.

Comfirmando o cada vez mais importante estatuto internacional da China, é o antigo Império do Meio o país convidado da Europalia 2009/2010, em Bruxelas. Como habitualmente, o programa compreende uma série de concertos, espectáculos, filmes e dezenas de exposições. O Tibete não está incluído, tendo a comissária-geral, Claire Kirschen, explicado que "não estava nas linhas do projecto". Ainda bem. Sempre se poupam polémicas e manifestações...

- Europalia- Chine, de 9 de Outubro de 2009 a 14 de Fevereiro de 2010 ( data do Ano Novo chinês ) .
Para saber mais : http://www.europalia.eu

Roma Virtual

- Basílica de Maxêncio e Constâncio

Tal como vários amigos aqui do blogue, sou também um grande admirador de Roma, a actual e a antiga. E foi sobre Roma Antiga que se debruçou durante 10 anos uma equipa de arqueólogos e engenheiros, tendo criado esta espectacular versão tridimensional de Roma no tempo de Constantino ( 320 D.C. ) - Rome Reborn 1.0- com 7000 edifícios recriados. Basta procurar Rome Reborn no Google. E já está em curso uma Rome Reborn 2.0 que nos permite "ver" Roma noutras épocas. Cuidado, que é uma visita "viciante"- queremos ver isto, e mais aquilo, e entretanto passaram horas...

XLI

Não ficarei imerso em nada
Fugi da concha
Do abraço
Da teia que sufoca
Das vozes que não param
Como gralhas.

Meu Deus
Não me apertes mais
Senão eu escapo
Por entre as malhas.

Sebastião de Lorena, ENTRE UM DIA E O OUTRO, Europress , 1993 .

Um quadro por dia - 8

- Turc monté sur un cheval, Théodore Géricault, óleo sobre tela, 1810.

Pintada quando o autor tinha apenas 19 anos, e ainda era aluno de Vernet, esta tela já é bem demonstrativa do génio de Géricault. Pertenceu a Géricault até à sua morte, tendo então sido adquirido no leilão subsequente por um dos seus melhores amigos e também pintor, Ary Scheffer, de quem se falou aqui no blogue recentemente. Passou depois por várias mãos até chegar ao coleccionador anónimo que o colocou à venda na Christie's de Londres.
Foi à praça ontem. Se foi vendido, hoje alguém está mais feliz.

Melody Gardot

Nas margens do grande rio Mississipi têm nascido grandes vozes, e uma das mais recentes é Melody Gardot. Para a Ana e a MR que " me deram música " logo de manhã. Espero que gostem desta Sweet Memory.

Canções inglesas – 2

~
June Tabor – I will put my ship in order

Música dos anos 2000: Benjamin Biolay et Chiara Mastroianni

HOME - La Ballade du Mois de Juin

O Mercador de Cadáveres...

Génese da literatura fascicular lá fora e cá dentro, Joel de Lima
x
Aventuras Extraordinárias d'um Polícia secreta, O Mercador de Cadáveres

"Desde recuados tempos, as camadas populares sempre demonstraram grande apetência pelos relatos de Aventura, de Mistério (deste e doutro mundo) e, muito particularmente pelo Crime - se possível - atroz - e por aqueles que o cometiam.
Privado por carência ou ignorância, de acesso às obras guardadas ciosamente pelo Clero e das que a Nobreza - e, depois, a Alta Burguesia - adquiria em edições a elevado preço, a gente do Povo, que sabia ler, tinha de contentar-se com os folhetos mal impressos que certos bufarinheiros encavalitavam em barbantes nas suas tendas de levante, em feiras e romarias ou nas ruas mais frequentadas das vilas, cidades e aldeias por onde deambulavam ou onde centravam os seus negócios."
x
Joel de Lima, Aventuras Extraordinárias d'um Polícia Secreta: O Mercador de Cadáveres, I, Novela Popular, Coimbra: Campo das Letras, 2004, p.7.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Sonhar

A todos os contribuidores e leitores os meus agradecimentos pelas palavras amáveis que recebi ao longo deste dia. Uma pequena retribuição, dedicada em especial a quem já sonhe com as próximas férias. A canção escolhida dos Shadows (uma das minhas preferidas) ajudará ...

<

Stefano Benni

Foto feita em Bologna, Setembro 2007.

In ogni libro c' è un segreto.
É un segreto che tiene insieme in modo misterioso l'immaginazione dello scrittore e quella del lettore.

Administrar a tristeza

foto: Bologna, setembro 2007
A mão no arado

Feliz aquele que administra sabiamente
a tristeza e aprende a reparti-la pelos dias
Podem passar os meses e os anos nunca lhe faltará

Oh! como é triste envelhecer à porta
entretecer nas mãos um coração tardio
Oh! como é triste arriscar em humanos regressos
o equilíbrio azul das extremas manhãs do verão
ao longo do mar transbordante de nós
no demorado adeus da nossa condição
É triste no jardim a solidão do sol
vê-lo desde o rumor e as casas da cidade
até uma vaga promessa de rio
e a pequenina vida que se concede às unhas
Mais triste é termos de nascer e morrer
e haver árvores ao fim da rua

É triste ir pela vida como quem
regressa e entrar humildemente por engano pela morte dentro
É triste no outono concluir
que era o verão a única estação
Passou o solitário vento e não o conhecemos
e não soubemos ir até ao fundo da verdura
como rios que sabem onde encontrar o mar
e com que pontes com que ruas com que gentes com que montes conviver
através de palavras de uma água para sempre dita
Mas o mais triste é recordar os gestos de amanhã

Triste é comprar castanhas depois da tourada
entre o fumo e o domingo na tarde de novembro
e ter como futuro o asfalto e muita gente
e atrás a vida sem nenhuma infância
revendo tudo isto algum tempo depois
A tarde morre pelos dias fora
É muito triste andar por entre Deus ausente

Mas, ó poeta, administra a tristeza sabiamente.


Ruy Belo: Orla Marítima e outros poemas, Lisboa, Assírio & Alvim, 2008, pp. 7-8

Uma clínica em Zurique

Enquanto em vários países europeus se alteram as leis, ou se discutem as alterações, ou se promete que se vai pensar nisso como os nossos políticos têm feito, há quem vá fazendo bom negócio. É o caso da famosa clínica Dignitas, na Suiça, que já eutanasiou centenas de europeus, sendo que neste momento estão em lista de espera 800 britânicos, mais umas centenas de pessoas de outros países europeus e até dez portugueses. Não será altura de discutirmos o assunto por cá a sério? Se bem que com eleições à porta, o melhor é guardar para 2010 para que a discussão não fique inquinada à partida com eleitoralismos e retórica fácil.

Se razões fossem precisas... - 4

489. Não. Eu não pertenço àquele tipo de escritores que anda com as antenas no ar, captando o que está fora: diálogos, impressões, imagens e tudo mais. Não. Enfim, não ando com um caderninho de notas para apontar uma frase interessante que tivesse escutado. Eu não preciso de estímulos exteriores. O que preciso, sim, é que a minha cabeça, por iniciativa própria, dê o pontapé de saída do jogo que vai começar. Isso leva-me a ter- para histórias que são romances- ideias um pouco estranhas: que a caverna de Platão está debaixo de um centro comercial, que as pessoas de repente decidem votar em branco... Ideias que podem estar num romance, que em princípio não são a ideia motora de um romance mas que no meu caso, sim.

- José Saramago, in Mil razões para ler um livro/3 , Alma Azul, Abril de 2009.

Prosit, Filipe!

O Filipe é um homem do mundo. Nasceu e vive em Portugal, viveu desde muito novo e estudou na Baviera, corre sempre que pode para Londres, percorre França, Itália... o mundo todo. Mas porque passou a sua juventude (parte dela, porque ainda é um jovem) na terra da cerveja, proponho que bebamos uma (ou várias) à sua saúde. Prosit!


Originais e reproduções

- Louis XIV, François Girardon, bronze, Louvre.

Já por várias vezes tem acontecido aqui no blogue termos sensações de dejá-vu relativamente a obras de arte, particularmente no que respeita a esculturas. E a coisa lá se esclarece, porque especialmente no séc.XIX vários grandes escultores produziram reproduções e versões muito próximas tanto no mesmo material do original como noutros ( gesso, etc ) . Mas por vezes temos de agradecer encomiasticamente aos autores de épocas mais recuadas porque é apenas graças a essas reproduções que podemos hoje conhecer as obras.
É o caso de François Girardon, mestre da estatuária decorativa e monumental francesa, com muitas obras no parque de Versalhes. Era de Girardon a monumental estátua equestre de Luís XIV erigida em 1699 na praça Louis-le-Grand, que hoje conhecemos como place Vendôme, em Paris. Esta estátua, que era considerada uma das mais belas do Rei-Sol, foi removida e derretida durante a Revolução Francesa, como muitas outras, mas sobrevive nas várias reproduções em bronze que foram feitas à época, embora em tamanho reduzido - a do Louvre que vemos acima, e mais 3 espalhadas pela Europa ( Ermitage, Windsor e Vaux-le-Vicomte ) . Não nos admiremos portanto se acharmos que já vimos isto nalgum lado...

A sair em Agosto...


Uma das minhas próximas leituras será este livro.
«Yasunari Kawabata, um dos maiores escritores japoneses do século XX, Prémio Nobel em 1968, explora neste romance a força do desejo e do arrependimento, e a sensualidade da nostalgia, numa belíssima história onde cada gesto tem um significado, e onde até o toque mais fugaz ou o comentário mais casual têm o poder de iluminar vidas inteiras... por vezes no mesmo instante em que as destroem.» (da folha de promoção da Dom Quixote)

PENSAMENTO DO DIA

" Que les princes ne sont pas toujours oú l' on croit. Qu' il y a des seigneurs partout pour ceux qui veulent bien les voir. Que ce n' est pas nécessairement une question de naissance ou de nom. Que l' éducation confére parfois à ceux qui l' ont reçue en héritage une arrogance et une grossierèté impardonnables. "

- Pierre Assouline, em entrevista recente a propósito do seu último romance, Les Invités, que parte de uma premissa muito interessante: para evitar que estejam 13 à mesa, a bonne ( árabe, ainda por cima ) é convidada a sentar-se num jantar onde pontifica a gente bem. Mais não digo, para não revelar demais, mas acrescento que devia ser lido por muito boa gente...

Conhece a Cannabia ?

Não se preocupem, porque a Cannabia é perfeitamente legal. Mas o nome tem atemorizado muita gente que tem medo de consumir esta cerveja que já se vende entre nós há algum tempo.
É feita a partir de cânhamo ( Cannabis sativa ) , tem 4,8 graus de teor alcoólico e é uma cerveja biológica de sabor frutado.Aliás, provavelmente já muitos de nós provámos cânhamo sem o sabermos, pois que é usado em rebuçados, chupa-chupas, chocolates, gomas e pastilhas. E a planta continua a ser usada no fabrico de têxteis ( já vi várias peças de roupa com essa indicação ) e de papel.
Voltando à cerveja, ainda só não a experimentei porque não é fácil encontrá-la já que está sobretudo à venda em lojas de produtos biológicos. Mas vou procurá-la.

Ainda para o Filipe,

A crise...


Cinenovidades - 49 : Arletty


Como sabe quem vai acompanhando as coisas do cinema, os biopics ( filmes biográficos ) estão na moda, estando já a ser filmados alguns ( desde logo o de Scorsese sobre Frank Sinatra,e a vida de Dali por Simon West com Antonio Banderas no protagonista e Catherine Zeta-Jones como Gala) e outros na calha ( a vida de Martin Luther King por Steven Spielberg, Eva Longoria vai ser a lendária actriz mexicana Maria Felix, e o chinês Wong Kar-Wei dedicou-se ao grande Bruce Lee ) . E a tendência também se tem manifestado em França, de Piaf a Chanel. Agora é a vez de Arletty, uma das grandes senhoras do cinema francês, cuja vida será interpretada por uma actriz francesa em ascensão, a bela Elsa Zylberstein. A rodagem deverá começar em breve.

Parabéns Filipe!

Depois dos colegas aqui do blogue terem postado coisas mais sérias, já me sinto à vontade para dedicar um vídeo ao nosso aniversariante Filipe Vieira Nicolau, anglófilo confesso. É da última noite dos Proms do ano passado, no Royal Albert Hall, e o solista é Bryn Terfel.

Parabéns, Filipe!

e tenha um belo dia!


Ute Lemper interpreta Die Moritat von Meckie Messer, de Kurt Weill.

http://www.utelemper.com/


Garrett na cozinha e na cultura 1!

No âmbito da Semana Gastronómica de Coimbra: "Cozinha de Escritores" :
xx
Almeida Garret, João Baptista da Silva Leitão



Estás quase doutor, meu caro amigo
E em consequência sabichão profundo
Em breve a rubra flutuante borla
Te brilhará na fronte e há-de trazer-te
Pelo menos o jus a deputado
......................................................................

Ficas doutor, que é tudo neste mundo
E enquanto o grande dia do Capelo
Coroado de sorvetes, e de botelhas,
De fiambres, e ovos moles se não chega
Co' a mocetona patuscada ao lado;
Vai debicando, palitando os dentes
Co esse continho, verdadeira história,
E não da carochinha, ou flos sanctorum

In, introdução aos "Contos", dedicada a Joaquim Larcher.
x
Paulino Mota Tavares, Almeida Garrett, Viagens na Cozinha Portuguesa, Sintra: Colares Editora, sd, p. 48

Parabéns Filipe


Monteverdi / Orfeo: Tocata, Ritornello, Dal mio permesso

Canções inglesas – 1

Já há algum tempo que estou para colocar umas canções do (e inspiradas pelo) folk inglês, que aprecio bastante e que, hoje em dia, raramente oiço. Lembram-me belas férias que passei em Inglaterra durante vários anos.


Renaissance, um dos grupos de que mais gosto e que mais ouvi nos anos 70, que mistura o rock e o folk, foi formado por dois ex-Yardbirds, Keith Relf e Jim MacCarthy, a que se juntaram mais três elementos.

Feliz dia Filipe! Parabéns.

Filipe,
x
Soube que hoje faz anos. É com Goethe, Monet, Satie e o Outono que
xlhe desejo um dia muito feliz e especial.
x
Parabéns!
Ana
xClaude Monet, Autumn at Argenteuil. 1873.

"Do mesmo modo como a natureza declara agora o outono, também dentro e em volta de mim o outono se manifesta. As minhas folhas amarelecem, e as folhas das árvores vizinhas já caíram".

J.W. Goethe in Os Sofrimentos do Jovem Werther


Uma milésima faceta de um rosto! XI

Tito Vespasiano Augusto segundo Suetónio
x

"III Tanto física como espiritualmente, as melhores qualidades o exoneraram desde a infância, qualidades que se desenvolveram com a idade. Tinha, com efeito, uma bela figura, figura em que a majestade se aliava à graça. (…) Tinha uma memória extraordinária, e uma singular aptidão para todos os trabalhos da guerra e paz."

Suetónio, Os Doze Césares, Livro Oitavo, Lisboa: Assírio e Alvim, 2007, p. 420

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Antoine Wiertz : autoretrato


Autoretrato com 18 anos.
Bruxelles, Musées royaux des Beaux-Arts de Belgique (Inv. 12146)

Uma lembrança de S. João deixada em Lisboa por Miss Tolstoi, que só esta semana recebi. Acompanhava o livro de Andrea Camilleri, Excursão a Tindari, um romance policial que ando a ler.
Andrea Camilleri é o autor do livro "A Cor do Sol / Os mistérios de Caravaggio" que já andou por aqui...
Obrigado!

A arte fotográfica de Júlio de Matos

Os apreciadores da arte fotográfica não podem deixar de visitar o sítio do consagrado fotógrafo português Júlio de Matos, de que falei já aqui no blogue em outras ocasiões. Por enquanto, está apenas disponível a versão inglesa, mas os aperfeiçoamentos têm sido contínuos.

http://www.juliodematos.com/

O prazer da sesta...

video
Agora que o calor parece ter voltado, é ainda mais apetecível um período de pausa...

Desejos de Verão - 1

Ando com desejos delas, regadas com sumo de limão e pouco mais. Onde é que se comem boas ostras ao natural nesta cidade? De preferência, em estaminé mais em conta do que na Bica do Sapato...

Inimigo público - 3

- Repórter fotográfico no Externato de Pedralvas ( foto tirada do sítio da TVI24 ) .

Como devem ter lido ou ouvido ontem, são já dois os estabelecimentos de ensino da Grande Lisboa fechados devido à gripe A. O primeiro deles, e do qual se sabe mais, é o Externato de Pedralvas, Benfica, onde 4 crianças foram infectadas por uma quinta, um menino de 18 meses.
O que é lamentável e altamente reprovável é a atitude dos pais deste menino que foram recentemente de férias para o México com a criança, e regressados a Portugal colocaram a criança no externato quando esta já apresentava uma ligeira febre. Nunca disseram à direcção do Externato que tinham viajado para o México.
Estes pais são pelo menos passíveis de responsabilidade civil, se não mesmo de responsabilidade penal, e demonstram uma falta de civismo intolerável. Se atitudes semelhantes se repetirem, então estamos bonitos...
Entretanto, lá foram medicados os pais das crianças, professores e funcionários que o desejaram, e o externato fechado por duas semanas com os transtornos que se imaginam. Tudo perfeitamente evitável.

Portefolio - 4

Já foi posto à venda o quarto número da Portefolio, a revista de periodicidade anual da Fundação Eugénio de Almeida, contando este número com um habitual leque de colaboradores de primeira linha, e sempre com a directriz da actualidade sócio-económica e cultural.

Agora é mais fácil ser gato em Miami...

Este jovem de 18 anos, Tyler Hayes Weinman, foi formalmente acusado há dias de ser o Assassino dos gatos de Miami, tendo já neste momento sido reunidas provas contra ele quanto à morte de 19 dos 25 gatos mutilados, esfolados e esventrados nos últimos meses em Miami. Não se trata de gatos vadios, mas sim de gatos que ele apanhava junto às residências dos donos e onde os voltava a deixar depois de os matar. Para além desta crueldade extrema contra os animais, é bem sabido que muitos serial killers começaram a suas "carreiras" usando violência contra animais, só depois passando para os seres humanos...

Se razões fossem precisas... - 3

- fotografia de Graça Sarsfield.


485. Ler uma coisa que me maravilha tanto que penso que nunca chegarei lá.
Sinto isso desde os 16 anos, quando comecei a tentar escrever. Foi o que senti quando li
pela primeira vez Virginia Woolf ou, no caso português, a Maria Gabriela Llansol, a
Agustina Bessa-Luís, e muitos outros. Quando li as suas obras pensei que aquilo era
inultrapassável. E era. E é. Só que há outros caminhos, como a Casa do Senhor que tem
muitas moradas...

- Maria Velho da Costa, Mil razões para ler um livro/3 , Alma Azul , Abril de 2009.


Palavras que deveriam estar gravadas à entrada de uma qualquer sala de escrita criativa, ou em qualquer outro lugar onde se ensine Literatura. Para que o peso dos gigantes que nos precederam não nos iniba a descobrir os outros caminhos de que fala Maria Velho da Costa.

Erotismo medieval no Norte...


Não, não é brincadeira, começa mesmo hoje o 1º Festival Erótico Medieval, realizado em Carvalhos, Vila Nova de Gaia. Há torneios a cavalo, lutas na lama e de gladiadores, espectáculos de striptease, área com mercadores e artesãos, outra com saltimbancos e malabaristas e um espaço gastronómico onde até se vende mel, ginginha e compotas. Acaba no domingo.
Ainda bem que não foi programado durante o ano lectivo...

Shirley Bassey: There’s no place like London


E por aqui me fico, pelo menos por agora, no respeitante a canções sobre Londres ou que refiram a capital britânica, que são aos montes...

Música dos anos 90 (2): Pearl Jam Yellow Ledbetter

Uma milésima faceta de um rosto! X

Tito Flávio Vespasiano segundo Suetónio

"Em tudo o mais, do princípio do seu reinado até ao fim, foi moderado e clemente. Nunca escondeu a sua humilde origem e dela se gloriou muitas vezes."

Suetónio, Os Doze Césares, Livro Oitavo, Lisboa: Assírio e Alvim, 2007, p. 410.

A Carta de Lorde Chandos 2!

(22 de Agosto de 1603)

"Queria decifrar as fábulas e os mitos que os Antigos nos legaram e nos quais os pintores e os escultores encontraram um prazer sem fim e sem pensamento em decifrá-los como hieróglifos duma sabedoria secreta e inesgotável cujo sopro me parecia por vezes sentir como através de um véu."

Hugo von Hofmannsthal, A Carta de Lorde Chandos ou da incapacidade da linguagem dizer o mundo, Lisboa: Padrões Culturais Editora, 2008, p. 33.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Alain Resnais - Toute la mémoire du monde

Este documentário de 21 minutos, absolutamente fantástico (já vi!) sobre o trabalho de bastidores na BnF, passa daqui a pouco, às 19h30, na Cinemateca Portuguesa. Juntamente passam outros dois documentários, um americano e outro holandês, sobre o arquivamento da memória. A não perder!

Ainda Soares dos Reis: O Desterrado ... e Itália!

No seguimento do post de MR lembrei-me que Soares dos Reis esteve hospedado no Instituto de Santo António dos Portugueses, em Roma onde executou a peça o Desterrado e com ajuda da net aqui fica a minha escolha.
x
Soares dos Reis, "O Desterrado", Museu Soares dos Reis (1872)
x
Soares dos Reis depois de terminar o curso de Belas Artes ganhou uma bolsa para estudar na Escola Imperial e Especial de Belas Artes de Paris. Frequentou os ateliers de Ivon e de Jouffroy. Regressou a casa quando rebentou a guerra franco-prussiana e Paris foi cercada. Em Portugal, ganhou de novo uma bolsa, desta vez, para Roma e ficou instalado no Instituto de Santo António dos Portugueses, que é um local que guardo na memória com carinho e saudade. Uma das esculturas de Soares dos Reis que mais aprecio, a minha preferida, é o Desterrado pela simbologia e pela nostalgia que emana da peça.
x
"Em Roma estuda atentamente os clássicos. Tira apontamentos. Entretanto deverá executar uma estátua, desta vez em mármore. Continua a ser preciso justificar a pensão que recebe.
Mais uma vez complicações. O Governo não entende a razão da demora. Além do mais é sempre difícil justificar o dinheiro aplicado em artes. Em Março de 1872 a pensão é suspensa. São-lhe enviados 60 mil reis que se destinam ao regresso a Portugal. Soares dos Reis não se intimida. A sua obra está iniciada. O modelo já foi feito. O mármore de Carrara já começou a ser trabalhado. É preciso que o entendam. Não pode regressar agora. O Embaixador Marquês de Tomar toma conhecimento do assunto. Decide investigar conforme lhe pedira o Conde de Samodães, Inspector da Academia Portuense. A resposta irá por carta:
x
«(...) Em tais circunstâncias proponho a V. Ex.ª, convencido da inteira justiça da pretensão, que se lhe mande pagar a pensão dos quatro meses de Março a Junho. Em Portugal julga-se que uma obra como aquela em que está mostrando o seu talento o artista de que se trata, se pode concluir com perfeição em alguns meses; aqui os melhores artistas não poderão concluir a Estátua em menos de dois anos.
Seja esta ainda mais uma razão para convencer V. Ex.ª da justiça da minha proposta.»
x
As pensões atrasadas são pagas. Os retoques finais serão dados em Portugal. O modelo feito em gesso é oferecido por Soares dos Reis ao Instituto de Santo António em Roma. Gratidão pela hospedagem. O Desterrado é enviado para o Porto".

Soares dos Reis: Flor Agreste

(depois de um comentário de Miss Tolstoi)

Mármore de Carrara.
Porto, Museu Nacional Soares dos Reis
É uma das minhas esculturas preferidas. «Exposta na Primeira Exposição-Bazar do Palácio de Cristal em 1881, foi adquirida por Maria Francisca Archer, mulher do coleccionador Nuno de Carvalho, por 250 000 reis. Foi vendida à Câmara Municipal em 1932 sendo considerada uma das jóias da colecção municipal.A imagem humilde da Flor Agreste, de cabelo em desalinho e blusa aberta, é uma prova da tendência do escultor para o retrato de criação livre, motivado por grande sensibilidade estética.Assinada e datada no rebordo, no lado esquerdo: "A. S. dos Reis 1881".» Tem 48 cm de altura. (http://cct.portodigital.pt/gen.pl?p=peca&op=bipeca&sid=cct.sections/1111103&pecaid=cct.pecas/1300182&fokey=cct.museus/13&coleccaoid=cct.coleccao/2)

Adamo: Paola


No seguimento de um post do Luís Barata.

Novidades - 59 : O fim da trilogia

Ontem, quando andava à procura de um livro para oferecer, deparei-me com este terceiro e último volume da série Millennium do malogrado Stieg Larsson. Comprei-o claro está, mas resisti estoicamente e não o abri. É que hoje tinha mesmo de me levantar cedo...
Será que algum dia teremos acesso ao incompleto quarto volume da série? É que a viúva de Larsson e os outros herdeiros deste, o pai e o irmão, continuam a não se entender.
Em compensação, o primeiro filme está aí a chegar...

- A Rainha no palácio das correntes de ar, Stieg Larsson, Oceanos, Julho de 2009.

P.S. - Como há que manter segredo até a aniversariante o ver, amanhã falarei do outro livro que comprei ontem.

Parabéns !

Para a Helena Pais Costa, amiga já de muitos anos e que hoje é bébé, aqui fica este tango a lembrar o nosso périplo argentino. Parabéns!

Biografias, autobiografias e afins - 36

Esta é a biografia que Vincent Leroy dedicou àquela que foi uma das mais belas princesas da sua geração e hoje é uma rainha muito popular. A biografada é Paola Ruffo di Calabria, princesa de Liége pelo seu casamento com Alberto da Bélgica, irmão do rei Balduíno, e hoje rainha dos Belgas. Aquela princesa que foi cantada por Adamo, lembram-se?

- Les 70 ans de la reine Paola, Vincent Leroy, éditions Imprimages, 280p, 2009, 10€.

Cinenovidades - 48 : Whatever works

É o mais recente filme de Woody Allen, e é um regresso a Nova Iorque nesta história de um misantropo, interpretado por Larry David, que muitos portugueses ficaram a conhecer da comédia televisiva Curb your enthusiasm, que encontra uma ingénua optimista, papel a cargo da deslumbrante Evan Rachel Wood, e o amor nasce neste casal improvável. Mas durará? Tudo temperado pelo pelo humor tão judeu e tão nova-iorquino de Woody Allen.

Se razões fossem precisas... - 2

484. Jean-Paul Richter, precursor dos românticos alemães, é o maior prodígio de todos os tempos, e não me falem de Goethe nem de Dante sequer.
Não foi do capote de Gogol que saiu tudo, mas da cabeleira de Jean-Paul. O próprio Freud, furtivamente, foi lá buscar a sua terminologia. O romance nasceu com ele no primeiro dia da Primavera de 1763. Lê-lo produz um choque que vai até ao ciúme mais negro por todos aqueles que o possam ler também...

- Agustina Bessa-Luís, in Mil razões para ler um livro/3 , Alma Azul, Abril de 2009.

Escolhi esta citação de Agustina por duas razões:a primeira, como exemplo de um escritor que foi grande na sua época, com enorme influência sobre as gerações seguintes mas que hoje está praticamente esquecido- quem lê Jean-Paul Richter nos nossos dias, mesmo na Alemanha? A segunda razão, tem a ver com o efeito que alguns escritores causam noutros, o "ciúme mais negro" de que fala Agustina, que é coisa bem diferente do sentimento causado no simples leitor, ainda que este possa ser igualmente forte.

Nick Cave: A rainy night in Soho

Música dos anos 90: Alanis Morissette - King Of Pain

Ler com prazer 4.

Max Ernst, "Of This Men Shall Know Nothing", (1923),
x
The Tate Gallery, London

"esse filho só de sangue que te escorre pelas pernas
sou eu. podiamos ter-lhe ensinado as palavras, mas
o seu nome é agora de sangue. podíamos ter-lhe
mostrado o céu, mas o seu olhar é agora de sangue.
podiamos ter fechado a sua mão pequena dentro da
nossa, mas a sua mão é agora de sangue. esse filho
só de sangue que te escorre pelas pernas e morre
sou eu, o meu sangue e a minha memória."
x
José Luís Peixoto, A Criança em Ruínas, Vila Nova de Famalicão: Quasi, 2007, p. 76

Uma milésima faceta de um rosto! IX

Aulio Vitélio segundo Suetónio

"XI Entrou, por fim, em Roma, ao som das trombetas, com manto de general, cingida a espada, e no meio das águias e dos estandartes. Os da sua comitiva envergavam trajo de guerra, e os soldados levavam as armas na mão. Depois, pisando aos pés as leis divinas e humanas, tomou posse do pontificado máximo, no dia do aniversário da batalha de Ália…”

Suetónio, Os Doze Césares, Livro Sétimo, Lisboa: Assírio e Alvim, 2007, p. 390

terça-feira, 7 de julho de 2009

O prazer da leitura: os livros russos da avó.1

Durante a adolescência vivi uns tempos com a minha avó. Lá em casa havia uma estante velha onde ia buscar alguns livros que me deram prazer. Deixo aqui o primeiro.
"O que mais o preocupava e aquilo em que muitas vezes pensava, era a razão por que todos os crimes são descobertos com tanta facilidade, bem como a pista de quase todos os criminosos.
Chegou a diversas conclusões curiosas. A seu ver, a principal razão de facto consistia menos na impossibilidade material de ocultar o crime, do que na própria impossibilidade material de ocultar o crime, do que na personalidade do criminoso: num grande número de casos este experimentava, na ocasião do crime, uma diminuição da vontade e do entendimento e era por isso que procedia com uma leviandade pueril, uma rapidez extraordinária, quando mais necessárias lhe eram a circunspecção e a prudência.
Raskolnikoff comparava este eclipse das faculdades intelectuais e o desfalecimento da vontade a uma afecção mórbida (…)."

Dostoïewsky, Crime e Castigo, Porto: Editora Livraria Progredior, 1954, vol. I, p.94-95. (tradução A. Augusto dos Santos)

Ainda sobre a Constituição 2.0

- A Família Real Portuguesa ( D.Amélia, D.PedroIV e D.Maria da Glória ) e a Carta Constitucional de 1826.

Respondendo com maior visibilidade ao "anónimo" comentador, e deixando de lado as suas opiniões sobre o "convencimento" e a "importância" de quem escreve neste blogue, apenas direi que em momento algum se beliscou neste blogue o IDP, promotor da Constituição 2.0, e muito menos S.A.R. , embora este não seja um bloque monárquico, mas antes um blogue onde também escrevem monárquicos. Agora, aquilo de que não prescindimos, e acho mesmo que falo por todos, autores e leitores, é deixar de opinar sobre quaisquer iniciativas concretas, de cariz político ou cultural, provenham estas de instituições pró-monárquicas ou pró-republicanas. Nem podia ser de outra maneira numa sociedade livre e democrática.

Diogo-Édipo

Fiquei satisfeito ao saber que o cargo de director do D.Maria II não lhe retirou o gosto do palco, e que o vamos ver na próxima temporada em Édipo Rei, com encenação de Jorge Silva Melo. E que tal o Prosimetron ir ao teatro nessa altura?

Elegâncias para os pequeninos...




Os sapatos Bertulli continuam a ter muita procura, hoje em dia se calhar até mais pelo exemplo dado por alguns líderes europeus, graças à sua vantagem competitiva: aumentam a altura de quem os calça em 7cm, através de uma cunha interior de 3cm que se soma ao salto exterior de 4cm. São estes 7cm que têm feito o sucesso desde 1972 do seu criador, o italiano Mario Bertulli.
Aqui ficam as fotos dos mais recentes modelos, à volta de 100€ cada par, e o sítio onde podem ser comprados: http://www.masaltos.com