Prosimetron

Prosimetron

sábado, 11 de junho de 2011

Os meus franceses - 136


«Il veut faire une maison, un endroit idéal,
des fleurs toute l'année, une carte postale.»

Boa noite!

Músicas do 'exílio' - 4


JOHNNY Ne m'oublie pas 1995 par ejr2
Ontem quando visitávamos a Basílica de Saint Denis, entrou um funeral, ao som desta música. «C'éait un instant étrange»...

Ontem no Público

António Barreto, fotografia de Miguel Manso, Público



«As democracias, em geral, não são derrotadas, destroem-se a si próprias».
António Barreto

Guias - 3

Como no último dia, falei da primeira vez que fui a Paris, vou hoje mostrar os guias que comprei nessa viagem: Paris Notre-Dame, Saint-Chapelle e La Conciergerie. Tinha um sobre Versalhes, mas não o consegui encontrar. Terá ficado nalgum empréstimo?
 Texto de Yvan Christ; fot. Patrice Molinard. Paris: Éd. Vilo, imp. 1968. Custo-me, na altura, 10,00FF.
Texto de Louis Grodecki. Paris: Caisse Nationale des Monuments Historiques, [196-] 
Texto de Michel Gallet. Paris: F. Hazan, cop. 1966. Custo-me, na altura, 10,00FF. 
Texto de Roger-Armand Weigert. Paris: Caisse Nationale des Monuments Historiques, imp. 1966

Músicas do exílio - 3

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Boa noite!


Actuam esta noite no Caveau de la Huchette, numa homenagem a Peggy Lee.

Músicas no exílio

video
Fomos a um concerto de Balalaïkas, em La Sainte Chapelle. Fiquei a gostar da Valsa Triste de Bakaleïnikov.

Paris: Les Deux Magots


Paris: Le Cherche-midi Editeur, 1994

6 place Saint-Germain-des-Prés
http://www.lesdeuxmagots.fr/

Bom dia de Portugal!

Monumento a Luís de Camões no local onde hoje é a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Fotografia da exposição VER A REPÚBLICA, no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra




APOLO E AS NOVE MUSAS DISCANTANDO

Apolo e as nove Musas, discantando
com a dourada lira, me influíam
na suave harmonia que faziam,
quando tomei a pena, começando:

«Ditoso seja o dia e hora, quando
tão delicados olhos me feriam!
Ditosos os sentidos que sentiam
estar-se em seu desejo traspassando»...

Assi cantava, quando Amor virou
a roda à esperança, que corrria
tão ligeira que quase era invisível.

Converteu-se-me em noite o claro dia;
e, se algũa esperança me ficou,
será de maior mal, se for possível.

Luís Vaz de Camões daqui

Em português - 112 : Arnaldo Antunes



Um dos grandes nomes da música brasileira actual : Arnaldo Antunes, que dia 18 actua no S.Jorge (Lisboa).

Um quadro por dia - 177

José de Guimarães, Camões e D.Sebastião, 1980.

Portugal : sempre entre a euforia e o desalento. A euforia da Expo 98, do Euro 2004 ( lembram-se?), e o actual desalento da possível insolvência.

Poemas - 49



O fantástico Portugal do Alexandre O'Neill, dito pela Susana Menezes.

Os meus franceses - 135


Bom dia!

Músicas do Exílio - 2

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Os meus franceses - 134


Só agora soube que a actriz Mélanie Laurent também canta. E até gostei.
Boa noite!

Boa noite !



Ao som da compositora francesa Lili Boulanger, tanto a esquerda caviar prosimetrónica como a direita poupadinha prosimetrónica se preparam para o jantar: uns em Paris, outros no Bairro Alto. Que não falte apetite a ninguém :)

J'avais un rendez-vous...

... hoje às 16h00, na Pinacoteca de Paris. Com quem?

Enid Blyton, a odiosa que gostava de crianças

Excêntrica, bizarra, manipuladora, arrogante, mãe ausente... Seria mesmo assim Enid Blyton? Custa a crer que esta escritora que encantou gerações de crianças e jovens com os seus livros de aventura e mistério tivesse sido, afinal, uma megera. Desconhecia esta faceta de EB e, por isso, surpreendeu-me um filme sobre a sua vida, uma excelente produção da BBC (2009). Helena Bonham Carter deu vida à personagem. No filme Blyton é apresentada como uma mulher fria, ambiciosa e mãe distante interessando-se mais pelos seus pequenos fãs que pelas filhas. Enid casou em 1924 com Hugh Pollock - que trabalhava na George Newnes, a sua editora durante anos - mas com o casamento a desfazer-se afastou-o 19 anos depois para se casar com o cirurgião Kenneth Waters com quem vinha mantendo um relacionamento. E para lhe facilitar a vida obrigou Pollock a assumir-se como adúltero em tribunal se quisesse manter o direito de ver as filhas, direito esse que mais tarde lhe sonega e ainda consegue que o primeiro marido seja despedido da editora. A única explicação dada no filme para o seu carácter tão odioso tem a ver com a sua alegada ambição e uma infância turbulenta pelo facto do pai ter abandonado a família quando ela era pequena. EB saiu de casa muito cedo passando a ignorar a família (a mãe com quem não se dava bem e os dois irmãos). Mas, pensando bem, se analisarmos os livros de EB as pistas estão lá. Adultos ausentes com coisas mais importantes para fazer que aturar miúdos, crianças que vivem em colégios durante todo o ano e que durante as férias ficam entregues à sua sorte, enfrentando terríveis criminosos com os quais têm de lidar sozinhas ou, na melhor das hipóteses, com a ajuda de um cão. Também é impressionante a quantidade de órfãos nos seus livros. Considerações à parte, é aqui que reside toda a magia dos livros de EB para crianças; é que elas vivem absolutamente sozinhas, num mundo apenas para crianças e onde os adultos fazem apenas parte do cenário. E isso é fascinante para qualquer criança.
Em 43 anos de trabalho EB escreveu 750 livros, tendo vendido até hoje 500 milhões de exemplares. MOrreu em 1968 com demência, aquilo a que hoje se chama Alzheimer.

Guias - 2

E porque estou em Paris, vou falar de três guias sobre esta cidade: La France, Paris e les provinces, Guide Juliard de Paris e Paris: in four days = en cuatro dias.
Os dois primeiros comprei-os, há anos, em alfarrabistas de Lisboa.
O primeiro, da Doré Ogrizek, foi editado pela Ode, de Paris, em 1944. A parte referente a Paris ocupa da p. 5 à p. 181. É um belo guia cheio de ilustrações a cores, de que mostro algumas.
Da mesma colecção tenho um sobre Portugal que um dia aqui trarei.
O segundo é da autoria Henri Gault e Christan Millau, foi impresso em 1964 e contém «les 2252 bonnes (et mauvaises) adresses qui metent Paris dans votre poche…»
A primeira parte é sobre os restaurantes; a segunda, sobre os cabarets e os clubes, cafés e bares, hotéis, floristas; a terceira parte é sobre os locais onde se podem adquirir produtos de alimentação e animais domésticos, os antiquários, bibliotecas, as elegâncias – femininas e masculinas –, museus, etc.
Com um pouco de paciência podemos tentar ver se determinado restaurante, café ou perfumaria ainda existe. Assim, de duas pesquisas que fiz ainda existem ambas: a Rôtisserie Périgourdine (na place Saint-Michel) e a Brasserie Stella (na av. Victor Hugo). Por outro lado, procurei duas floristas e não encontrei menção de qualquer delas no google.
O último foi adquirido na primeira ida a Paris, em 1971 e foi-me muito útil – a mim e não só - para calcorrear pela cidade e ver alguns museus e monumentos nos quatro dias, precisamente, que aí passei. Editado por A. Leconte, não tem data de edição, nem de impressão. E vi que se continua a editar.

Memória poética da guerra colonial

O Centro de Estudos Socais da Universidade de Coimbra, promoveu a edição (Edições Afrontamento) de uma "Antologia da Memória Poética da Guerra Colonial", cujo lançamento terá lugar em 15 de Junho, pelas 19h, no Auditório da CIUL, Picoas Plaza, em Lisboa, integrado no Colóquio/Debate "Os Filhos da Guerra Colonial: pós- memória e representações", coordenado pelos investigadores Doutota Margarida Calafate Ribeiro (Universidade  de Coimbra) e Doutor Roberto Vecchi (Universidade de Bolonha).
A antologia inclui o meu poema

No chão caído - ensanguentado.
Sonhos desfeitos - riso suspenso.
Nas mãos abertas havia mais
que o gesto de implorar.

Se era esperança
se era vida,
a morte veio
lenta, furtiva,
abrir as portas
de par em par.

Olhos abertos - fitando o céu.
Cabelo loiro - a esvoaçar.
Nunca ninguém saberá que mais havia
além do seu olhar.

( Tempo de Mar Ausente -1972)

Músicas do 'exílio' - 1


Por sugestão de Jad - e para ele -, dado que ouvimos Alain Souchon ontem numa livraria-discoteca (ou seria melhor chamar-lhe cedeteca?).
Une bonne journée!

Jardins - 16

Renoir - Le Jardin du Luxembourg
Óleo sobre tela, 1883
Col. particular

As crianças eram apenas
máquinas de gritar
quando escrevi o teu nome no chão
e me vim embora
 
Isabel Meyrelles (1929-)
 


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Os meus franceses - 133


Boa noite!

Auto-retrato(s) - 119

Óleo sobre tela, 1873-1874
Paris, col. particular 
Óleo sobre tela, 1888-1889
Col. particular 
Óleo sobre tela, 1892

Tagore, um apontamento.

Só há pouco tempo fiquei a conhecer melhor as múltiplas facetas de Tagore. A escrita do poeta já me tinha encantado. Ultimamente tenho procurado a sua pintura que acolhi com o mesmo gosto dos seus poemas. Começou tarde a pintar mas marcou o Modernismo na arte indiana.



Rabindranath Tagore, daqui




Rabindranath Tagore, Retrato de mulher, daqui



Juntei um retrato, Rabindranath Tagore realizado por um familiar, cujas pinturas me fascinaram.

Gaganendranath Tagore, Rabindranath Tagore.

Pintado num ambiente escuro a luz da janela não deixa de ser uma metáfora do conhecimento.




National Gallery of Modern Art, New Delhi

No exílio

Paris: Café de Flore

Nicolas Hugo
Noemi Martin
Anthony


Paris: Fernand Lanore, 2004

http://www.cafedeflore.fr/

Humor pela manhã... - 23



O verdadeiro choque de civilizações ou os dilemas do pós-colonialismo...

Bom dia !

terça-feira, 7 de junho de 2011

Boa noite!




Nara Leão (1942-1989) faleceu há 22 anos, no Rio de Janeiro. É uma das cantoras brasileiras que prefiro.

Cartas a Ottla


A Bodleian Library de Oxford e o Arquivo de Literatura Alemão de Marbach adquiriram, em Abril deste ano, 111 cartas e postais que Franz Kafka escreveu à sua irmã Ottilie, mais conhecida por Ottla. A compra, efectuada pelas duas instituições em conjunto com vista a evitar a venda em leilão a particulares (o que acontecera com cartas de Kafka à noiva Felice Bauer nos anos 80), encontra-se agora em exposição temporária no Museu de Literatura Moderna dessa mesma localidade alemã, próxima de Estugarda e cidade natal de Friedrich von Schiller. Intitulada “Briefe an Ottla” (cartas a Ottla), a exposição mostra os registos preciosos que compreendem o período de 1909 a 1924, ano do falecimento de Kafka, e representam um testemunho único do relacionamento com a irmã preferida.
Conforme consta de uma correspondência dirigida a Felice Bauer, Ottla era a “melhor amiga” de Praga, e o diário do escritor que documenta conversas havidas com Ottla prova o carinho especial entre os dois irmãos. Em oposição ao pai, Franz apoiou Ottla na decisão de gerir uma pequena exploração agrícola na Boémia, e de casar com um checo católico.

Ottilie (Ottla) Kafka nasceu a 29 de Outubro de 1892 em Praga. Foi deportada para Auschwitz em 1943 onde viria a falecer.

Lá fora - 115: O jovem Ribera



Trinta e duas telas de Juan Josep de Ribera ( 1591-1652 ) realizadas em Itália durante as primeiras décadas de vivência do pintor valenciano em solo italiano, primeiro em Roma e depois em Nápoles onde acabou por morrer, constituem esta mostra patente no Prado até 31 de Julho, de terça a domingo.

Uma mulher com...

http://ww1.rtp.pt/programas-rtp/index.php?p_id=2320&e_id=&c_id=1&dif=radio
Oiçam Ana Gomes hoje no Conselho Superior, na Antena 1.

Lembrando Orlando Ribeiro

Bom dia !

Boa noite!


Dolores Duran nasceu no Rio de Janeiro em 7 de Junho de 1930 e faleceu, na mesma cidade, aos 29 anos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Quotidianos - 70

Jan Steen - Na taberna
Óleo sobre tela, ca 1660
Amesterdão, Rijksmuseum

«Na taberna ou se bebe, ou se come, ou se joga.»
(Provérbio veneziano)

Auto-retrato(s) - 118

Leonora Carrington, Auto-retrato, 1938, óleo sobre tela, 65x81,3cm, Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque.

A nossa Ana já deu aqui notícia do falecimento desta que foi uma das poucas pintoras surrealistas no passado dia 25 de Maio, aos 94 anos, no México onde vivia desde 1942. Eu aproveito para mostrar o auto-retrato dela que é mais conhecido.

Em português - 111 : Expensive Soul

Ditados para hoje

A seguir a mim virá, quem de mim bom fará!
Só se conhece o vilão, depois de lhe colocar o poder [o pau] na mão!

Biografias, autobiografias e afins - 104

Mireille Lesage biografou a última duquesa soberana da Bretanha, rainha de França pelo casamento, e uma força política de pleno direito no seu tempo.

Anne de Bretagne, Mireille Lesage, Télémaque, 350p., €15, 2011.

Tiago Sousa- Walden Pond's Monk



Do novo álbum do compositor/intérprete português Tiago Sousa.

Também da época...

... são as sandálias, embora o tempo se mantenha instável. Cumprindo um "fetiche" prosimetrónico, aqui fica mais um modelito. Da Casa Dior, em corda, couro e plumas. €1200.

Amanhã na Gulbenkian

José Sócrates, ontem à noite. Há realmente imagens que valem por mil palavras...

Mais frutas

Émile Munier ( 1840-1895 ), Rapariga com cesto de laranjas, 1889, óleo sobre tela, col.part.

Afinal, a laranja é fruta da época...

domingo, 5 de junho de 2011

Hoje

Câmara Municipal de Tomar, Tomar

Bom Domingo!

Um quadro por dia - 176

William Hogarth, The Polling, 1755, óleo sobre tela, Sir John Soane's Museum, Londres.

Um quadro sobre uma eleição para um dia eleitoral...

Novidades - 183


Depois de, em comentário, Miss Tolstoi ter chamado à colação Diana de Cadaval, não posso deixar de lhe dedicar este post sobre a mais recente obra da jovem duquesa ( que gosta de ser chamada Princesa Diana, o que me complica um bocado os nervos mas é outra história... ), que versa desta feita sobre uma rainha de Portugal que tem um recorde singular: ter sido casada com dois reis de Portugal (D. Afonso VI, e o irmão deste, D.Pedro II ).
É uma edição da Esfera dos Livros, e o lançamento ocorrerá no Museu de Arte Antiga no próximo dia 8 de Junho.

Bom dia !



Espero que este dia termine assim, e amanhã comece uma nova era...
Como disse ontem a alguns prosimetronistas, já nem posso ver ou ouvir o homem, tal como acontecia no estertor do Cavaquismo.

Novidades - 182

Este mais recente livro de Ruth Fiori conta a história de cerca de 200 monumentos parisienses que mudaram de lugar ao longo do tempos, do séc.XVIII até aos nossos dias. Desde transportes mais simples com uma célebre fonte que foi mudada 500m de um local para outro, até casos mais complicados como o Hôtel de Massa que foi levado pedra por pedra dos Campos Elísios para a rue do Faubourg Saint-Jacques, ou a estátua de Francisco I que estava no Hôtel de Ville e foi parar ao Havre...
Imperdível para os apaixonados por Paris...

Paris déplacé, Ruth Fiori, Parigramme, 278p, 250 ilust., €29.