Prosimetron

Prosimetron
Prosimetron: termo grego que designa a mistura de prosa e verso.

sábado, 31 de outubro de 2009

Boa noite!

Esta noite é a noite de alguns Prosimetronistas terem a sua noite das bruxas.

Caravaggio numa garrafa de Baco


A descoberta foi feita por restauradores e investigadores, através de uma sofisticada análise com recurso a instrumentos da mais avançada tecnologia.Os resultados da investigação serão hoje comunicados oficialmente ao Comité Nacional para as Celebrações do quarto centenário da morte do pintor, em 1610. No interior do jarro, Caravaggio pintou a silhueta de um homem, de pé, com um braço estendido. Alguns traços do vulto são claramente distinguíveis, em particular o nariz e os olhos, sendo também perceptível um colarinho. Os especialistas crêem poder hoje dizer-se que o pintor (1573-1610) fez o seu auto-retrato reflectido num jarro que tinha à sua frente enquanto estava a pintar. Segundo o jornal italiano "La Stampa", há já algum tempo que se dizia que o vulto de Michelangiolo Merisi da Caravaggio deveria estar oculto num ponto qualquer do quadro, mas ninguém até hoje pudera demonstrá-lo. Baco, um quadro a óleo de 95 por 85 centímetros, foi pintado por Caravaggio em 1596 e 1597 por encomenda do cardeal Del Monte para o oferecer a Fernando I de Medici, por ocasião do casamento do filho Cosimo II.
in Diário de Notícias de 1/11/2009

A dependência da Internet!

http://icanhascheezburger.files.wordpress.com/2007/06/i-m-in-ur-internet-cloging-ur-tubes.jpg

Desde ontem à noite que senti dificuldades em aceder à Internet. A dependência é terrível, recorre-se a ela para tudo: comunicar, saber as notícias, navegar, aproximarmo-nos do mundo e até para aprendermos e desaprendermos.
Hoje, depois de deambular num passeio sem sentido, quando cheguei a casa estava ao telefone o técnico a dizer que o problema tinha sido resolvido. Há quem trabalhe ao Sábado!
Fiquei contente porque já não estou desligada do mundo.

31 de Outubro de 1517

Os cristãos protestantes assinalam hoje o Dia da Reforma, recordando assim o protesto que Martinho Lutero expressou numa carta dirigida em 31 de Outubro de 1517 a Albrecht de Brandenburgo que, na qualidade de Markgraf (conde) de Brandenburgo, acumulava ainda as funções de príncipe eleitor, arcebispo de Magdeburg e arcebispo de Mainz. Como é do conhecimento geral, criticava o monge da ordem de S. Agostinho um conjunto de práticas, habituais na Igreja Católica da época, entre elas, o “comércio” de indulgências, fonte de rendimento para a vivência luxuriosa de muitos bispos e para a construção de igrejas, incluindo a edificação da Basílica de S. Pedro. Lutero anexou à correspondência as célebres 95 teses sobre a podridão existente no clero. É possível que tenha afixado as teses à porta da igreja de Wittenberg – porém, não existem provas que suportem esta ocorrência.

Lutero divulgou os seus pensamentos com a ajuda de amigos, entre eles, o pintor Lucas Cranach, o Velho (1472 - 1553). Cranach desempenhou um papel fundamental na difusão da visão e da obra de Lutero. A ele, deve o mundo ocidental retratos de Lutero, a ele, deve o mundo cristão a impressão de 5000 exemplares da primeira tradução do Novo Testamento para o alemão, levada a cabo por Lutero em 1522 (que viria a traduzir integralmente a Bíblia pouco tempo depois).

Cranach, um dos maiores representantes da pintura renascentista alemã, contribuiu assim significativamente para a reforma protestante, não deixando todavia de prestar os seus serviços a contratantes católicos …
Por ocasião desta data importante, segue ainda um quadro do mestre e seu filho (Lucas Cranach, o Novo), que se encontra na igreja St. Marien de Wittenberg: Cranach ilustra Lutero a pregar aos fiéis, numa igreja que, ao contrário das igrejas católicas, dispensa quaisquer adornos decorativos. A essência é Cristo, o crucificado.


Outras imagens: retrato de Lucas Cranach o V., por Lucas Cranach o N. (Uffizi, Florença); conhecido retrato de Martinho Lutero e sua esposa, Katharina von Bora (Museo Poldi Pezzoli, Milão)

Anna Magnani : Voce Umana

Jean Cocteau... o mesmo texto... outra interpretação

Anna Magnani
Filme de Rossellini

Jean Cocteau : Voz Humana

Só Jean Cocteau conseguia escrever uma peça como Voz Humana (1958)... Onde existe diálogo num monólogo. Escolhi a versão operática que Francis Poulenc escreveu (1959) sobre o texto de Cocteau. Só quem nunca amou não consegue conhecer as respostas que não estão presentes.
Gostava de rever esta ópera.

Felicity Lott, soprano
Orquestra de la Suisse Romande.
Maestro: Armin Jordin.

La Voix humaine: excertos
1- introduction
2- "Allô, allô..."
3- Allô!... c'est toi?"
4- "Hier soir, je me suis couchée tout de suite"
5- "Allô, chéri... Si on coupe, redemande-moi tout de suite"
6- "Quelle comédie?"
7- "Souviens-toi du dimanche de Versailles"
8- "Demain? Je ne savais pas que c'était si rapide"
'Tudo o que é necessário para o triunfo do mal, é que os homens de bem nada façam'.
(Edmund Burke)

Por favor não coloquem erros na Net! Vejam e revejam, com cuidado, as vossas notícias!

Pregões desta Lisboa...

Tachos panelas e alguidares, olha o funileiro à porta!...

Foto roubada mas não sei quem foi o autor!

Manuelino do século XIX


Quando alguns dizem que os Jerónimos e a sua arte "cantam" o mar... se vissem isto perguntavam? e onde estava esse mar cantado...

Um Poeta Barroco

Nas minhas incursões pelo Barroco encontrei este poema que achei lindo quer visualmente quer pelas palavras ditas. Georg Philipp Harsdörffer ( 1607 – 1658) nasceu em Nuremberga foi poeta e tradutor.



O Cardo e a Rosa, Poesia do Barroco Alemão, Lisboa: Assírio & Alvim, 2002, (Selecção e pref. João Barrento), p. 105, 104

O espelho 11 !

Auguste Toulmouche nasceu em Nantes em 1829 e morreu em Paris em 1890.
x
Auguste Toulmouche, Vanity, 1889

Oil on Canvas, 73 x 48 cm, Localização ? , vendido pela Christie's New York: Wednesday, May 2, 2001

A.S. : Escolhas Pessoais IV

Cecília Meireles

Sem estridência nenhuma, e através de uma escrita serena, umas vezes quase prosaica (Poemas Escritos na Índia), outras em musicalidade transformada, a poesia de Cecília Meireles, apesar de ter rasado algumas correntes literárias da sua época, distingue-se pela sua singularidade. É, possivelmente, a mais portuguesa dos poetas brasileiros, pela sua escrita e pelos seus temas. Ao facto não estará de todo alheia uma avó materna de origem açoriana que a criou e a quem dedicou sentidas elegias (“Abre o túmulo e olha-me: / qual de nós morreu mais.”). Algum humor perpassa, às vezes ( “… Moscas investigam o abismo / das orelhas hirtas dos burros. …”- poema ALCOBAÇA); mas, o mais significativo da sua poesia é uma fina sensibilidade ao mundo e à natureza, assim como, também, os temas sobre a solidão e o amor que são tratados de uma forma sempre discreta, mais sugerida que expressa: “ …Aqui está minha herança – este mar solitário / que de um lado era amor e, do outro esquecimento.”.
Transcrevo, de Cecília Meireles, o meu poema de eleição:

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
Não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
No vento.

Se desmorono ou se edifico,
Se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
Ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.
Post de Alberto Soares

Sardinhas


Ontem, ao fim da tarde, um amigo perguntou-me se eu queria uma sardinha. Procurei se era de chocolate. Que não, que era de escabeche. Afinal... era destas. Com um café, uma delícia!
Um dia destes vou repetir.

Eterno feminino


Anne-Josèphe Théroigne de Méricourt,
nascida Anne-Josèphe Terwagne

As modas do Outono! Mas, minha querida amiga, para que havemos nós de nos insurgir contra a moda, - se ela é tão rápida, tão impersistente e tão fugitiva? Tem razão: os casacos azul Nattier, azul Sèvres, loiro tabaco, vermelho ferrugem, largos, campanudos, com rodas enormes, aprecem sinos com dois pezinhos a badalar dentro; os boleros, sugestões de Goya, de uma duvidosa elegância garçonnière, irritam, enervam, contundem; os chapéus altos Thermidor, com a sua fivela e as suas fitas caídas, feministas, cubistas, futuristas, abominavelmente Mistress Pankurst, execravelmente Miss Robertson, furiosamente Théroigne de Méricourt, - dão vontade de bater nos figurinos Paquin, Redfern, Béchoff, Georgette, que, apesar da guerra, invadem as modistas de todo o mundo. Tudo é masculino: o carrick, o bolero, o chapéu, os gestos, os caprichos, as infidelidades, - e o fumo. Execrável. Mas que havemos nós de fazer, minha querida amiga, - se está absolutamente provado que a mulher é o único defeito do homem?
Júlio Dantas
In: Ilustração Portuguesa, Lisboa, 2.º semestre 1915, p. 417

António José de Almeida: evocativo da sua morte!

O único presidente eleito, da I República, que exerceu o cargo até ao fim do mandato (5.10.1919-5.10.1923). António José de Almeida nasceu em Penacova (Vale da Vinha) a 17 de Julho de 1866 e faleceu em Lisboa, a 31 de Outubro de 1928. Passam hoje 81 anos!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Um quadro por dia - 23


- Francesco Bacchiachia, Eva com os seus filhos Abel e Caim, 1520, Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque.


A razão desta escolha é óbvia. É a família disfuncional de que mais se tem falado. E quem estará ao colo? O primogénito ou o secundogénito?

Amor hospitalar...


" (...) Enquanto concluem o tratamento da minha minúscula ferida de Pulseira Verde, vou escutando o que se passa do outro lado da cortina. Um médico, depois de limpar a ferida, coserá a cabeça do gigante negro. Agora, por enquanto, estão a falar italiano.
Descobriram que um e outro falam essa língua- e estão divertidos, muito divertidos. O negro elogia a beleza do médico. Você é muito bonito, ouço o negro a dizer o médico. O médico graceja, sempre em italiano.
O negro enorme ainda tem bastante sangue a escorrer da cabeça, mas está a pedir o número de telefone ao médico; isso mesmo: o número de telefone.
Não sei como terminou o jogo de sedução entre um homem enorme que tinha a cabeça praticamente aberta em dois e o jovem médico de boa aparência, pois, antes de qualquer conclusão e consuzido por um certo pudor, saí dali.(...)
Não te leves demasiado a sério, mas leva a sério o mundo. Sim, certo. Mas o mundo por vezes, mesmo quando é sério-e nada é mais sério do que um hospital- consegue ser, ainda assim, divertido. Saio a pensar no enorme negro e no belo médico a falarem em italiano e a trocarem telefones enquanto o sangue cai sem parar de uma cabeça aberta em dois, e penso como o amor é capaz de aparecer nos sítios e instantes mais imprevistos.
Já fora do edifício do hospital pareceu-me ouvir alguém a cantar alegremente, e num tom altíssimo, uma ária de uma ópera italiana. Mas talvez fosse o vento- que o Serviço Nacional de Saúde não é assim tão eficaz. "
- Gonçalo M.Tavares, Serviço Nacional de Saúde, na Visão desta semana.
Mais uma prova de que a realidade é sempre capaz de ultrapassar a ficção.

Da vacina


" (...) Nem a gripe nem a vacina são particularmente perigosas para o homem. No entanto, ambos os vírus são letais para o meio ambiente. Temo que não haja árvores suficientes para abastecer os jornais do papel necessário para todas as notícias, publicadas e por publicar, sobre os malefícios da gripe A e os ainda maiores malefícios da vacina da gripe A. Não admira: a toda a hora surgem novas informações. Receava-se que houvesse vacinas a menos. Agora, uma vez que ninguém as quer tomar, receia-se que sobejem. Também causa dano. Suspirou-se por uma vacina. Agora ,suspira-se por uma vacina contra a vacina. A ciência que resolva este problema. Já começamos a habituar-nos ao pânico da vacina. Precisamos urgentemente de outra coisa relacionada com a gripe A para recear. "
- Ricardo Araújo Pereira, Sobreviver à doença, escapar da cura, na Visão desta semana.

Ainda Saramago e o seu CAIM - 3


Perguntaram-me se tinha lido o Daniel Oliveira no Expresso do passado sábado. Respondi que não. Embora leia quase todas as semanas o exemplar do meu pai, que o compra religiosamente ( tem inclusive os primeiros números ) , tal não aconteceu há uma semana atrás pelo que fui à procura do artigo do bloguista e bloquista. E gostei do que li:
" (...) E não, não é preciso ser cristão para sentir comoção com o Cântico dos Cânticos. Não é preciso ser crente para perceber que a religião condensa em si as camadas da história de que se faz a humanidade. Que ela tem um tempo e um ritmo que não cabem em conferências de imprensa. Não é preciso ser religioso para compreender esta permanente procura do sentido da vida e da imortalidade.
Eu, ateu convicto desde o dia em que penso, não aceito esta nova moral em que tudo se resume à dimensão do indivíduo. Em que todas as convicções colectivas, todos os ritos humanos, são vistos como manifestações de um obscurantismo acrítico.
Não perceber o que de mais profundo e complexo tem a fé humana é não perceber nada da humanidade. E se a um escritor lhe escapa o que de essencial há na sua espécie... "

O sopro, o vento e o espírito


A propósito do desafio heráldico lançado pelo nosso Jad, cuja solução aguardamos já que ninguém "esteve à altura", traduzi a divisa constante do brasão como " O Espírito sopra onde quer" sem me ter socorrido do respectivo Evangelho e por que de memória tal construção frásica fazia sentido.
Veio depois a nossa M.R., também em comentário ao dito desafio, sugerir que era mais correcto "Sopro" em vez de "Espírito".
Fui ver, onde devia logo ter ido. E que diz então o Evangelho de João, para mim o mais belo dos sinópticos ?
" O vento sopra onde quer e tu ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito." ( Diálogo com Nicodemos)
( Nova Bíblia dos Capuchinhos, 1ª edição, Novembro de 1998, Difusora Bíblica, Lisboa-Fátima, p. 1735 )
E há uma nota dos tradutores que ajuda a esclarecer: " 8. Vento-Espírito: em grego ( pneuma ) e em hebraico ( ruah ), o sentido é o mesmo. "
Consequentemente, mantenho a minha "tradução".

30 de Outubro de 1954, Coimbra.

Em 30 de Outubro de 1954 foi inaugurada a Ponte de Santa Clara, sobre o rio Mondego, em Coimbra.


O espelho 9 e 10 !

Paul Delvaux é um pintor belga que enveredou pelo surrealismo. Delvaux já foi colocado no blogue por MR, mas julgo que não se abordou este tema: o pintor e o Espelho.

Paul Delvaux, Mulher ao Espelho, 1936
x
Óleo sobre tela, 71 x 91,5 cm, Thyssen-Bornemisza, Madrid
x
Paul Delvaux, O Espelho, 1936

Óleo sobre tela, 110.3 x 136.2 cm

Livros de cozinha - 21


Pacote de «Biscoitos de Canela» - presente inesperado esta 2.ª feira, que ainda não abri. Depois direi de minha justiça.

Lisboa: Convento dos Cardaes, 2003

Este livro apresenta alguns dos pratos servidos nos eventos culturais promovidos pelo Convento dos Cardais.
Deste livro e, à falta da receita dos «Biscoitos de canela», transcrevo a do
Azeite diabólico
1/4 de litro de azeite
4 pimentões secos picantes
2 tomates secos
Coloca-se num frasco o pimentão, o tomate e o azeite. Deixa-se repousar um mês, filtra-se e utiliza-se com tomate, pão, massa, molhos.

Se não conhece o Convento dos Cardais, visite-o!
R. do Século 123
Lisboa

Nós que não somos naturais

Nós que não somos naturais

Nós que não somos naturais, porque
somos quem nega a natureza, não
morreremos nunca de animais a morte.
Essa morte primeva, com que acabam
os que jamais souberam que viviam,
não nos pertence desde a hora em que
de humanidade nos fizemos homens
e ao sofrimento abrimos esta carne
embebendo-a do amor que não devera
ser mais que o cio do prazer sem nome
e sem memória alguma. Nunca mais
havemos de morrer em paz e espanto
de se acabar o mundo e não nós nele.
O que nos mata é a solidão povoada.

Jorge de Sena, de Peregrinatio ad Loca Infecta (1969), em Poesia III, Lisboa, Edições 70, 1989

Batalha do Salado, 30 de Outubro de 1340!

A Batalha do Salado consistiu no confronto entre cristãos e muçulmanos. D. Afonso XI de Castela pediu auxílio a D. Afonso IV de Portugal e ambos os exércitos venceram o emir de Granada e o rei Abul-Hassan, de Fez e Marrocos.
x
A Batalha do Salado, Cádis, 1340, Museu Militar.
x
Intolerância político-religiosa e comércio, política/religião e economia lado a lado.

Paul Rassinier, 66 anos após a sua prisão!

Paul Rassinier foi uma figura polémica por causa das posições que tomou em relação ao Holocausto. Não é do meu interesse explorar essa faceta. só quero recordar o seu papel como resistente.
Paul Rassinier foi professor de História no Liceu de Belfort entre 1933 e 1943 , Academia de Besançon.
Durante a II Guerra Mundial fundou o grupo da Resistência "Libé-Nord", que organizava a fuga de judeus da França ocupada para a Suíça. Por causa dessa actividade foi preso pela Gestapo em 30 de Outubro de 1943.
Raissinier esteve preso em Buchenwald e em Dora até ao final da guerra. Acabou por deixar o ensino por não conseguir restabelecer-se do tifo que apanhara no campo de concentração.
x
Campo de Concentração de Buchenwald
x

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Amália em Nova Iorque


E passo a transcrever:


"AMÁLIA EM NOVA IORQUE


No ano em que se assinalam os 10 anos do desaparecimento de Amália Rodrigues, o Grupo Cassefaz apresenta o espectáculo "Amália em Nova Iorque". A partir da peça escrita por Vicente Alvez do Ó, a actriz Maria José Paschoal, constrói e interpreta um espectáculo que pretende essencialmente partilhar com o público a mulher para além da artista que Amália Rodrigues foi: os seus medos, fracassos, forças e a sua constante ligação com a morte. Ora lisonjeada, ora atacada pelo País que ora a glorificou, ora a abandonou, esta peça é uma instrospecção da sua vida enquanto mulher.

Texto de Vicente Alves do Ó

Interpretação, encenação, cenografia, figurino, adaptação e dramaturgia de Maria José Paschoal

Direcção artística de Elisa Lisboa

Consultoria Cenográfica de António Viana

NO MUSEU DO FADO (Largo do Chafariz de Dentro, 1)

30 de Outubro a 20 de Dezembro de 2009"
Sextas e Sábados às 22h00; Sábados e Domingos às 16h30

Castellana, ocho...

Vai uma bebida? Estamos dois Prosimetronistas... Mas o outro é segredo.

Quem vai aqui horar?


Um prosimetronista prepara-se para subir esta escada, e passar aqui o resto do dia.

Destino: BNE


Os portugueses e o sentido de humor!

Uma amiga enviou-me esta imagem de Portugal no seu melhor!

Devo dizer que adoro queijo da Serra e presunto embora, prefira de longe o primeiro!
19 euros é um bom preço... É só procurar esta indicação...

Amália: mais um livro


Em busca de Lorca

Em Sevilha tomo conhecimento que começam hoje as escavações, em Alfacar, para resgatar os ossos do poeta Federico García Lorca. Finalmente poderá ser feita justiça.

Boa viagem!


Face Oculta


Armando Vara volta a estar nas bocas do mundo, ao ter-se sabido ontem que é um dos 12 arguidos já constituídos no âmbito da operação Face Oculta. O mundo das empreitadas, dos concursos públicos e das propostas é tão sedutor....
Espero que com isto seja contida a "operação" que já andava a ser falada, a escandalosa privatização da REN.

O Prosimetron não pára


Cumprindo as "regras" do blogue, há sempre alguém que está além-fronteiras. Nestes últimos dias tem sido o JP, que tem andado pela cidade que se vê na foto. Ficamos a aguardar as novidades.

Uma Capa

Uma capa fiz do meu canto
De baixo a cima
Bordada
De antigas mitologias;
Mas tomaram-na os tolos
Para exibi-la ao mundo
Como se por eles fora lavrada.
Deixa, canto, que a tomem,
Pois maior feito existe
Em andar nu.

W.B.Yeats, Uma Antologia, Lisboa: Assírio & Alvim, 1996, p.71 (Sele. E trad José Agostinho Baptista)

Sarah Vaughan - These things I offer you


Hoje oefereceram-me dois discos de Sarah Vaughan que tenho estado a ouvir e lembrei-me de quando ela veio cantar ao Festival de Jazz de Cascais (1972? 1973?). O avião que a trazia atrasou-se; o público aguentou até às 3h00 a pé firme para a ouvir e foi brindado com um espectáculo inesquecível.

Flores 7 - Gustav Klimt!

Gustav Klimt, Jardim com Girassóis, 1905-1906
x
Óleo sobre tela, 110 × 110 cm, Österreichische Galerie, Viena, Áustria


http://farm4.static.flickr.com/3167/2967127043_b98109cc7f_o.gif

Because the Night - Patti Smith



29 de Outubro de 1959


Assim assinala o Google a aparição das aventuras de Astérix, o Gaulês, no n.º 1 da revista Pilote, há 50 anos.
http://www.asterix.com/anniversaire/50-ans/

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Genial incentivo ao exercício físico

video


Construída nas escadas do metro em Estocolmo, a escada que toca música à medida que alguém sobe um degrau virou sensação não só entre os suecos, mas na web em diversos países.
Com o intuito de promover o exercício físico, a Volkswagen transformou as escadas de um metrô em Estocolmo, na Suécia, em um piano gigante. À medida que os pés pisam em um degrau, ele toca uma nota diferente.
A empresa de carros afirmou ao jornal britânico Daily Mail que, após a invenção, 66% a mais de pessoas optaram pela escada musical e chamam a novidade de teoria da diversão.

O problema das datas e Erasmo de Roterdão!

Hans Holbein, o Jovem, Erasmo de Roterdão


Confrontei-me com este problema das datas:

Num livro de efemérides que me ofereceram está indicado que Erasmo de Roterdão terá nascido a 28 de Outubro de 1467. Noutro livro que consultei e na wikipedia a data referida como a possível para o seu nascimento é 27 de Outubro de 1466. Qual será a verdadeira?

Não me importa que tenha sido a 27 ou a 28 de Outubro, importa-me sim falar aqui no seu "Elogio da Loucura" e da sua sapiência para lhe prestar homenagem.

"Digamos a verdade tal como ela é: a Fortuna ama os irreflectidos, os temerários, os aventureiros, aqueles que dizem facilmente: «os dados estão lançados!». A sabedoria torna os homens tímidos; assim encontrareis por todo o lado sábios a morrer de fome, pobreza e dor, esquecidos, sem glória e sem simpatia. Os loucos, pelo contrário, nadam em dinheiro, governos os Estados e, numa palavra, encontram em pouco tempo a prosperidade. Se fazeis consistir a vossa felicidade em agradar aos princípes e em ser admitidos entre os cortesãos, divindades brilhantes de pedrarias, de que vos servirá a sabedoria? Recuaríeis perante um perjúrio, coraríeis antes de mentir, pois tendes na cabeça os escrúpulos dos sábios sobre o roubo e usura. Se ambicionais as dignidades e bens eclesiásticos, mais facilmente os conseguiríeis se fosseis asno ou boi, do que sendo sábio.Se procurais o prazer amoroso, as mulheres, parte importante neste assunto, amam os loucos e fogem dos sábios como de um escorpião. Enfim, se decidis viver para os divertimentos, deveis evitar o sábio. Em suma, indo por onde quiserdes, entre os papas, princípes, juízes, magistrados, amigos, inimigos, grandes e pequenos, todos procuram o metal sonante; e, como o sábio, despreza o dinheiro, todos evitam a sua companhia. É universalmete admitido que: «Quando não temos algo, devemos simulá-lo». Donde se conclui que «simular a loucura do louco é a sua sabedoria»

Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura

A propósito de um certo comentário de hoje...







- Já assisti a serviços religiosos de outras denominações cristãs, da Igreja Anglicana à Igreja Calvinista, visitei mesquitas e sinagogas, sabendo sempre no meu íntimo que " são muitas as moradas". A Igreja de Roma, que não precisa que eu a defenda, tem feito bastante pelo respeito inter-confessional e pela procura de um verdadeiro ecumenismo.
A paz entre as religiões é certamente um caminho para a paz mundial, horizonte sempre adiado.