Prosimetron

Prosimetron

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Vista de Delft

Vermeer - Vista de Delft, 1660-1661
Haia, Mauritshuis 

Proust, que nasceu há 148 anos, considerava esta vista de Delft de Vermeer «o mais belo quadro do mundo».

A última fotografia de Proust conhecida foi tirada aquando da sua visita a uma exposição de Vermeer em Paris. Deve tratar-se da Exposition hollandaise. Tableaux, aquarelles et dessins anciens et modernes, que esteve patente no Jeu de Paume em abr.-maio 1921 e na qual estavam expostos três quadros de Vermeer: «Vista de Delft», «A leiteira» e «Rapariga com brinco de pérola», segundo catálogo existente na Gallica.


4 comentários:

Joaquim Ramos disse...

E parece que foi só muito recentemente que a importância de Vermeer foi reconhecida. Inclusivamente consta que por vezes até foi obrigado a pagar com quadros dívidas contraídas para comer.

MR disse...

Da vida de Vermeer só sei o que vi no filme «Rapariga com Brinco de Pérola». E nesse filme, que espero que tenha sido baseado em alguns factos reais, via-se que o pintor e a família viviam com imensas dificuldades. Hoje as suas obras valem milhões. Mas não é caso único, infelizmente.
Parece-me que as pessoas começaram a olhar para Vermeer com outros olhos depois de uma exposição de quadros dele nos EUA.
Bom dia!

Mister Vertigo disse...

Vermeer e outros génios da pintura que conheceram enormes dificuldades económicas no seu tempo, se viessem a este século XXI, seriam surpreendidos pelos caminhos trilhados pelas suas obras no mercado da Arte.
Boa tarde!

MR disse...

Sim, o que não faltam são pintores que viveram miseravelmente. Se viessem cá ficariam contentes por serem conhecidos e apreciados, mas quanto aos valores que atingem os seus quadros ficariam, no mínimo, furiosos.
Bom sábado!