Prosimetron

Prosimetron

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

A rainha vai nua


Velasquez - Maria Ana de Áustria
Óleo sobre tela, 1652-1653
Madrid, Museu do Prado



http://www.laverdad.es/murcia/20100202/murcia/arte-publico-arte-pubico-20100202.html

A imagem da rainha Maria Ana de Áustria, mulher de Filipe IV, usada nos autocarros de Múrcia para promover um evento artístico, está a causar polémica. A obra, baseada no quadro que Velasquez pintou, é da autoria de Carmen Molina Cantabella. A Esquerda Unida afirma que a imagem é «sexista e inapropriada» e pede a demissão de Pedro Alberto Cruz, encarregado distrital da Cultura. Também Miguel Angel Camara, presidente da edilidade, desaprovou a escolha, já que «Fotografias de nus dão aso a conflitos porque podem ofender a sensibilidade das pessoas.» E afirmou: «Deveria ter sido escolhida uma outra imagem.»
Sem comentários!

5 comentários:

contador antropomórfico disse...

Nua ainda era o menos, agora bronzeada e com marcas do biquini??? ... :-)

LUIS BARATA disse...

Para além da questão estética suscitada no comentário anterior, proponho que se combata a acusação de sexismo com um homem nú: porque não José Luis Zapatero? Sempre está vivo e pode defender-se...Quem sabe até ganha mais votos nas próximas.

Anónimo disse...

PArece me grave a reportagem da rtp: rainha de Portugal vai nua... ela nunca foi rainha de Portugal pois aquando do seu casamento Portugal já tinha uma nova dinastia no poder, a de Bragança.

JP disse...

Primeiros dois comentários: só creio defensável esta publicidade pelo choque que causa e pelo nonsense da mesma. As marcas do bronzeado realçam esse nonsense. LB: o teu exemplo seria mais correcto com o próprio Filipe IV, sendo certo que aí sim, se veriam os sexismos!
De resto, não me incomoda mais do que qualquer outra publicidade do género, por aí, isto por ser a Rainha, claro, sem entrar nas questões sobre se a própria nudez deve ou não ser banida da publicidade, apenas sugerida, etc.
Anónimo das 10H40: é preciso notar que até bem dentro do reinado de Carlos II, filho desta D. Mariana, continuou o uso de títulos e armas portuguesas, isto apesar do Tratado de Paz. Todavia, até este, ou seja 1668, esta Rainha continuou a intitular-se Rainha de Portugal e a usar as respectivas armas. Fiquei agora curioso sobre o que sucedeu à Infanta de Portugal e Rainha de França, Ana de Áustria. Dados os apoios da França à Restauração portuguesa, quando será que deixou cair das suas armas o escudo das quinas? Será que o fez? Haverá fontes que não tenham apenas as armas pequenas, deste período?

Anónimo disse...

Adorei a publicidade.